Quando abrimos uma empresa, temos curiosidade de saber quais são alinha de crédito permitidas para essa identidade. Se você está em busca de um empréstimo para pessoa jurídica, confira o conteúdo.

Muito se escuta falar hoje em dia sobre a diferença de pessoa física e pessoa jurídica no mercado trabalhista. Cotidianamente, esses são dois termos muito utilizados, principalmente quanto às formas de contratação que uma empresa realiza – ou quando você trabalha como uma empresa.

Mas, não somente nesse ponto, têm-se discutido sobre a possibilidade de realizar um empréstimo para pessoa jurídica. Este é um feitio diferente, pois requer documentações distintas e alguns outros processos a mais, que uma pessoa física teria ao contratar esse serviço – mas que dá direito a outros benefícios, que a pessoa física não possui. 

Por isso, se você é uma pessoa jurídica ou conhece alguém que é, e está a fim e realizar um empréstimo, veja aqui tudo sobre o assunto e entenda de vez como adquirir esse serviço com qualidade e todos os benefícios que ele oferece. Acompanhe! 

O que é pessoa jurídica?

Quando falamos em pessoa física e pessoa jurídica, muitas pessoas leigas ficam perdidas em meio as denominações. Para acabar com essa situação de vez, vamos explicar do que realmente se trata a pessoa jurídica (PJ) .

Uma pessoa jurídica nada mais é que uma entidade, que pode ser uma empresa, associação, entre outros tipos de grupos, que junta patrimônios e pessoas a fim de realizar algum tipo de serviço ou produzir algum produto. Ao invés, e para identificar essas entidade é que temos o CNPJ, documento de identificação de empresa.

Em contrapartida, quando falamos de pessoa física, estamos dizendo diretamente de cada um e sua identidade concreta. Quando se trata de jurídica, esta existe somente em papel, não sendo realmente uma pessoa, mas com um estado jurídico diferente perante o Governo. 

Como ter um CNPJ?

Para se tornar um destes e conseguir realizar um empréstimo para pessoa jurídica é preciso de algumas etapas. Sem dúvida alguma, elas não são fáceis de ser realizadas, sendo às vezes necessário o auxílio de um contador.

Em primeiro lugar é preciso recorrer à prefeitura de seu município ainda como pessoa física e pedir autorização para criar uma pessoa jurídica, ou seja, uma entidade. Esse aval virá a partir do tipo de produto que é produzido, número de pessoas envolvidas, entre outros.

Caso seja somente você é possível abrir pela própria internet o MEI – Microempreendedor Individual. Esse processo é muito mais simples e exige menos documentações, além de ter a abertura muito mais facilitada pela União. Veja também as opções de empréstimo para MEI.

Pessoa jurídica pode contratar empréstimo com garantia de imóvel

Muito se questiona sobre a possibilidade de pessoas jurídicas firmarem contratos de natureza bilateral e obrigacional como ocorre nas operações de Home Equity. Isto se dá pelo fato de existirem diversos tipos de empresas no Brasil, cujas quais são constituídas mediante regras próprias e com propósitos distintos uma das outras.

De modo geral, é possível sim que uma pessoa jurídica contrate uma operação de Home Equity em seu nome dando em garantia um imóvel de sua propriedade ou que esteja em nome de terceiros.

Inclusive, nos últimos anos a procura por empréstimo por pessoas jurídicas na modalidade Home Equity têm aumentado cada vez mais e se tornado uma excelente possibilidade de funding, seja por pequenos e microempresários, seja ainda por empresas de médio de grande porte.

Por exemplo, tal contratação se amolda perfeitamente para pessoas jurídicas que querem trocar dívidas caras por dívidas menores, visto que o prolongamento de uma dívida com taxas altas ao longo do tempo pode sacrificar boa parte do caixa da empresa e seu fluxo de pagamentos, podendo inviabilizar inclusive a sua existência e funcionamento.

– Leandro Mello, diretor Jurídico da CashMe

Quais são as vantagens de ser uma pessoa jurídica?

Ser pessoa jurídica no Brasil gera inúmeras polêmicas. Muitos acreditam que as pessoas recorrem a esse meio de trabalho legalizado perante o Governo, pois não conseguiram um trabalho em formato CLT.

Contudo, servir à União como pessoa jurídica também é uma maneira de movimentar a economia e crescer no mercado em geral. Esta é mais um modelo empregatício que existe no país e que precisa ser valorizada, principalmente pelas oportunidades que abrem a boa parte da população.

Pensando nisso listamos algumas vantagens de ser uma pessoa jurídica e como isso pode ser decisivo na hora de abrir uma empresa. 

Flexibilidade com horário

A primeira vantagem para quem trabalha como PJ, pessoa jurídica, é que não se torna necessário cumprir as horas de trabalho como é feito com os serviços CLT. Independente de qual seja a sua função, esta pode ser negociada com os chefes e decidida por ambas as partes.

Por exemplo, o número de agências de marketing que contratam publicitários como PJ é muito grande no país. O profissional pode decidir o momento de realizar seu serviço, estando de acordo com os donos da empresa. 

Além disso, é possível fazer esse serviço fora de horário comercial, sendo vantajoso principalmente para quem quer trabalhar em mais de um lugar. Ou seja, o tempo é total aliado do funcionário que utiliza método de pessoa jurídica. 

Serviços de empréstimo

Quem trabalha com esse modelo de trabalho possui inúmeras vantagens perante o Governo. O empréstimo para pessoa jurídica é facilitado e dá outros benefícios, que outros tipos de trabalhadores não ganham ao longo dos anos.

Se você necessita de um dinheiro para aprimorar sua máquina de serviço e para isso precisa contratar um empréstimo, o modelo de pessoa jurídica auxilia nesse financiamento e dá prazos mais otimizados para pagamento, sendo mais curtos ou mais longos.

Além disso, é possível ter taxas mais reduzidas e outros benefícios por ser PJ. Por isso, caso você esteja atrás desse tipo de serviço, sem dúvida alguma, o empréstimo para pessoa jurídica é mais vantajoso. 

Salário mais alto

Quando você é contratado como pessoa jurídica, automaticamente as empresas não necessitam pagar os mesmos impostos que um funcionário de carteira assinada necessita. Isso, apesar de soar estranho, não significa que você não tenha benefícios do Governo como qualquer outro trabalhador.

A vantagem de ser PJ é essa: quanto menos impostos o seu chefe paga, maior será o seu salário. Aquele valor que antes era destinado para custear INSS, entre outras taxas, vai diretamente para o seu bolso.

Portanto, se você está atrás de salários mais altos, mas que entreguem bons benefícios ao longo do tempo da mesma maneira, procure trabalhar como pessoa jurídica e veja como essa decisão é favorável ao trabalhador.  

Empréstimo para pessoa jurídica

Como já falamos um pouco, o empréstimo para pessoa jurídica é diferenciado, sendo recheado de vantagens e sobressaindo aos demais contratantes desse serviço – as famosas pessoas físicas.

Se você está atrás desse tipo de negócio, saiba que é possível negociar com as agências descontos no momento de pagar e redução dos juros mensais. Não somente isso, mas o tempo para pagamento também é mais flexível, sendo até possível anular o valor de algum mês em questão.

Se você trabalha com esse tipo de nome não fique com medo no momento de contratar um empréstimo. Apesar de ser um tanto quanto mal falado pelo senso comum, as pessoas não conhecem a real vantagem que este pode trazer. 

Em quais situações devo pedir um empréstimo para pessoa jurídica?

Para realizar um empréstimo para pessoa jurídica é importante analisar as situações que levam a essa busca. Em primeiro lugar, delimitar quem é você no jogo: uma pessoa jurídica “pequena” ou uma pessoa jurídica “grande”? A contratação por parte de trabalhadores únicos e por parte de grandes empresas possuem motivações diferentes.

Para reunir essas buscas e torna-las geral fizemos uma listagem de justificativas mais comuns para realizar a contratação de um empréstimo e explicamos como realizá-las da maneira correta. 

Dívida

A primeira motivação mais comum para a contratação de um empréstimo para pessoa jurídica é de dívida. Infelizmente, o Brasil não possui uma boa educação financeira e, apesar desse modelo de trabalho ser diferenciado, trazendo inúmeros benefícios, muitas pessoas ainda se endividam no país.

Isso pode acontecer em pequena e em grande escala. Um trabalhador PJ têm direito de contratar valores altos, à medida que comprove que a sua renda sustentará o pagamento do valor adquirido. 

A depender do modelo de empréstimo a ser contratado, algumas agências não autorizam a liberação do dinheiro. Porém, isso acontece somente em casos específicos de pessoas que já deram algum problema com pagamentos ou acontecimentos do tipo. 

Crescimento

Em contrapartida, enquanto algumas pessoas contratam um empréstimo para pessoa jurídica a fim de sanar uma dívida, existem aquelas que captam esse dinheiro para crescer e seu ramo, seja com a sua empresa de grande escalão ou somente trabalhando por conta própria.

Um redator, por exemplo, passa muito tempo do seu dia em frente ao computador. Para isso é necessário instrumentos ergonômicos para não haver nenhum problema de saúde futuro, além de uma máquina de qualidade para ajudar no processo de feitura do produto. 

Ou seja, esta é uma forma de crescer no mercado e apostar no serviço como pessoa jurídica. Os valores para contratação podem ser variados e estão de acordo com o escalão que você pertence na sociedade. 

Investimento

Por último, mas não menos importante, é comum pedir um empréstimo para pessoa jurídica para realizar um investimento. Este pode ser variado, como aplicar num item de trabalho ou até mesmo aplicar numa conta para render dinheiro.

Uma empresa grande pode realizar a sua caixinha através desse valor e ir pagando a agência contratada aos poucos. Os lucros certamente virão em pouco tempo e mostrarão o crescimento financeiro que isso pode causar. 

Independente de qual seja a motivação, as vantagens são muitas, pois as taxas reduzidas e prazo estendido para pagamento automaticamente facilita o lucro ao longo do tempo. 

Quais são os empréstimos para pessoa jurídica?

Agora pensando diretamente no empréstimo para pessoa jurídica e os modelos que existem no Brasil, precisamos descrever o que cada um faz e qual o mais indicado entre todos, tendo em vista que nem sempre esse tipo de serviço pode se tornar algo agradável ao contratante. 

Apesar de existir incontáveis métodos no país, muitos deles não atendem aos que trabalham como pessoa jurídica, limitando um pouco a diversidade deste serviço. Entretanto, isso não significa que seja um problema, pois todos aqueles que não aceitam esse tipo de trabalhador não é benéfico a ele – ou seja, torna-se um livramento.

Por isso, preste a atenção nos modelos abaixo e entenda qual o melhor se encaixa em sua busca e nas buscas gerais. São somente três, mas que podem fazer uma diferença extrema na hora da escolha. 

Empréstimo pessoal

O empréstimo pessoal, sem dúvida alguma, é o método contratação de capital mais comum do Brasil. Quem nunca viu um amigo ou familiar recorrer a um banco público ou privado para realizar um empréstimo? Sim, isto é normal em agências bancárias e possui regras extremamente abusivas, principalmente para pessoas jurídicas. 

Por se tratar de negociação diretamente com o gerente ou outro funcionário de um banco, as taxas podem variar de acordo com o contrato. Contudo, a média gira em torno de 8% ao mês – um preço altíssimo para qualquer consumidor brasileiro, independente se seja pessoa física ou pessoa jurídica. 

Por isso, não se engane com esse método de empréstimo. Os bancários são treinados para induzir o possível contratante a realizar essa aquisição, de maneira que possa o prejudicar instantaneamente. 

Cheque especial

Há também no mercado o temeroso cheque especial. Qualquer pessoa que possui uma conta corrente e cartão de crédito tem direito a retirar alguma quantia do banco através desse cartão e da margem que ele cede ao consumidor. 

Esse é o método com maiores juros do Brasil e com o menor prazo de pagamento de todo o mundo. Um empréstimo para pessoa jurídica com esse formato de contratação é, em sombra de dúvidas, um erro fatal.

A taxa pode chegar até mesma a 12% ao mês e ainda ser cobrado uma multa diária por atraso. O tempo para quitação do valor é de 45 dias, podendo deixar o seu nome sujo perante o Governo. Portanto, nunca recorra a este na hora de realizar um empréstimo para pessoa jurídica.

Empréstimo Home Equity

Por último e para encerrar, temos o empréstimo Home Equity. Este é conhecido no Brasil como empréstimo com imóvel como garantia e tem crescido exponencialmente no país devido as suas inúmeras vantagens para contratação.

Esse modelo era muito comum nos Estados Unidos e começou a migrar para outros países, inclusive para os localizados no América do Sul. Com esse aumento, agências começaram a disputar e trazer ainda mais benefícios na hora de adquirir esse serviço.

O empréstimo para pessoa jurídica também é facilitado com o Home Equity, sendo através da documentação, valor, juros e prazo para pagamento. Ou seja, este é o método ideal para se contratar. 

As vantagens do Home Equity e o empréstimo para pessoa jurídica 

Para entender mais sobre o Home Equity, vamos explicar como ele funciona. Em primeiro lugar, a cobrança de juros é inferior a 1% ao mês, além dos prazos serem otimizados para a quitação do valor contratado. 

Devido a esses aspectos, o contratante raramente adquire algum problema durante o percurso desse pagamento, sendo o mais indicado para qualquer situação. Ou seja, qualquer um que adquirir está isento de algum infortúnio no processo. 

Vale apenas ressaltar que esse tipo de serviço de capital possui um mínimo de captação, que é de R$80.000,00. Para um alguém que está atrás de um empréstimo para pessoa jurídica e que está alinhado às motivações que falamos aqui, esse talvez seja um valor ideal. 

Vantagens de pedir um empréstimo para pessoa jurídica

Para encerrar toda a explicação sobre empréstimo para pessoa jurídica e outros aspectos pertinentes à temática, vamos apresentar as vantagens que de realizar o pedido desse serviço quando se trabalha como PJ.

Novamente, voltando às diferenças entre pessoa jurídica e pessoa física, mesmo que o mercado em geral tente deixa-los próximo, quem trabalha com o primeiro está mais próximo do futuro. Os benefícios são maiores, além de outros aspectos serem mais vantajosos no geral. 

É importante salientar que a melhor opção, sem sombra de dúvidas, está nas mãos do Home Equity e, prioritariamente, à empresa CashMe. Ela é especializada nesse tipo de serviço e oferece as melhores condições do mercado brasileiro. 

Taxas reduzidas

A pessoa jurídica possui, sim, vantagens ao contratar um empréstimo. Para muitos pode parecer pouco, porém, para quem está atrás desse serviço qualquer valor pode fazer diferença na hora de fechar o contrato.

As taxas que são oferecidas para esse tipo de trabalhador são reduzidas em comparação com a pessoa física. Apesar do valor ter aparência de ínfimo, este pode ser a chave de ouro para que uma agência seja escolhida e outra deixada de lado.

Por isso, nunca deixe de realizar um empréstimo para pessoa jurídica por medo dos valores a serem cobrados. Se você escolher o método certo, sem dúvida alguma terá inúmeras vantagens durante o processo de contratação. 

Prazo estendido

O prazo estendido é uma das chamadas mais importantes para quem está atrás de um empréstimo para pessoa jurídica. Muitas vezes, as agências fornecem pouco tempo para pagamento e acabam deixando o contratante endividado com o valor que foi pego.

Contudo, se você trabalha como PJ possui automaticamente condições especiais. Essas parcelas podem ser otimizadas, sendo elas colocadas em menos tempo (e com menos juros) ou com mais tempo, a depender da decisão da pessoa que vai adquirir o capital. 

Portanto, novamente dizemos: não tenha medo de realizar essa contratação, pois se ela for bem escolhida, os bons frutos virão com pouco tempo. Basta apenas ter certeza do melhor método de empréstimo e pesquisar as melhores agências, como a CashMe. 

Valor contratado acima do mercado

Uma pessoa jurídica, por se tratar de uma empresa em menor e grande escalão, tem o poder de contratar valores mais altos em comparação com aqueles que são pessoa física. Isso é uma vantagem, pois existem aqueles que realmente estão atrás de uma quantia grande e não conseguem contratar.

É importante ressaltar que o empréstimo Home Equity, o método mais indicado por nós, somente realiza contratos acima de R$80.000,00, pois envolve o imóvel e outros bens com valores altos. 

Isso não significa que seja um problema, porque como dizemos, é comum que um empréstimo para pessoa jurídica não seja realizado devido ao valor pedido. Mas, este, sem dúvida alguma, será aceito ao contratante. 

CashMe como agência contratada

A última vantagem não poderia deixar de ser esta: a CashMe como agência que oferece o empréstimo Home Equity – ou empréstimo com imóvel como garantia, com é chamado em todo o Brasil. 

A empresa oferece ao consumidor inúmeras vantagens, ainda mais quando estes são pessoas jurídicas. Esse tipo de trabalhador recebe uma maior atenção, pois está em crescimento exponencial e apresentando resquícios do futuro do país.

Se você está atrás de um empréstimo para pessoa jurídica, corra atrás da CashMe e descubra os benefícios que ela oferece para a contratação de capital. Estes são muitos, sobressaindo às demais concorrentes do mercado e mostrando qual a melhor agência de empréstimos do Brasil. 

Empréstimo com garantia para pessoa jurídica: o que é preciso saber?

Veja o conteúdo escrito pelo Leandro Mello, diretor jurídico da CashMe.

Algumas observações devem ser analisadas para que a operação seja juridicamente viável, tanto para quem pretende contrair um empréstimo na condição de devedor, quanto para quem se disponibilizará a emprestar o recurso na condição de credor. Vejamos:

Legitimidade jurídica para a contratação do empréstimo em nome de pessoa jurídica

Conforme exposto inicialmente, as empresas podem ser constituídas no Brasil sob diversos regimes societários, como exemplo em sociedades anônimas, sociedades limitadas, sociedades em conta de participação, sociedades de propósito específico e por aí vai.

Para que seja possível a contratação de uma operação de Home Equity, o contrato que irá instrumentalizar a operação deverá ser assinado pelo administrador da empresa com poderes específicos para transacionar e alienar seus bens.

Além disso, será necessário observar ainda as demais regras que foram conferidas à empresa para que tal manifestação de vontade seja consumada. Em muitas empresas, por exemplo, os administradores e/ou seus sócios não podem assinar contratos sem que outra pessoa com iguais poderes também assine, sendo que essa e outras regras devem estar previamente estipuladas no contrato social da pessoa jurídica ou também no acordo de quotistas realizado entre os sócios do grupo, quando existente.

Indicação de um imóvel da própria pessoa jurídica ou de terceiros para que tal bem seja oferecido em garantia

Como a indicação de um bem imóvel é requisito obrigatório e fundamental para a contratação de um empréstimo na modalidade Home Equity, nas operações realizadas por pessoa jurídica tal regramento não é diferente.

O imóvel dado em garantia em nome de pessoa jurídica pode ser qualquer bem livre e desimpedido de ônus, isto é, que não contenha nem um tipo de restrições em sua matrícula como por exemplo penhoras advindas de processos judiciais, hipotecas e/ou alienações fiduciárias realizadas com outras instituições financeiras, podendo inclusive ser o imóvel que serve de sede para o funcionamento da empresa.

Caso o bem indicado esteja em nome de um dos sócios da empresa e/ou de um terceiro que se disponibilize a alienar seu bem para este fim, as regras de alienação são as mesmas, sendo que, nessa hipótese, o terceiro que indicou seu bem como garantia deverá obrigatoriamente figurar no instrumento de empréstimo na condição de “devedor Fiduciante”, enquanto a pessoa jurídica que requisitou o recurso deverá figurar simplesmente como “devedora”.

Destinação do recurso na existência de dívidas em nome da pessoa jurídica

Em se tratando de empréstimo para pessoa jurídica, é recomendável que a destinação do recurso contemple também a quitação de dívidas que porventura existam em nome da empresa, como por exemplo acontece com débitos trabalhistas, previdenciários, fiscais e outros passivos que são comuns em uma operação empresarial.

Isto porque, caso existam débitos em aberto em nome da empresa, é prudente que devedor e credor reúnam seus melhores esforços para que parte (ou a totalidade) dos recursos sejam destinados à quitação de tais débitos, a fim de que se evite problemas de ordem jurídica como fraude contra credores e fraude à execução. Portanto, considerando que é possível sim a contratação de um empréstimo na modalidade Home Equity por pessoa jurídica, e se observadas as regras e condições acima expostas, a liberação do recurso financeiro pode contribuir demasiadamente para o equilibro das contas e do fluxo de caixa da pessoa jurídica, podendo servir como capital de giro, pagamento ou substituição de dívidas, investimento em maquinário e no próprio negócio ou simplesmente para qualquer outra finalidade que possa contribuir para o crescimento sustentável e perene da empresa.

Faça um orçamento conosco e conheça mais sobre a CashMe! 

Gostou do nosso artigo? Faça uma simulação de empréstimo com a gente e conheça mais sobre a empresa!  Compartilhe com os amigos e deixe a sua opinião, queremos saber tudo que acha sobre empréstimo para micro empresa. 

endImage

A CashMe não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas através de parceiros autorizados pelo BACEN, nos termos da Resolução nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. As operações são realizadas através das seguintes instituições: Companhia Hipotecária Brasileira – CHB (CNPJ 10.694.628/0001-98), Companhia Hipotecária Piratini – CHP (CNPJ 18.282.093/0001-50). Empresa do Grupo Cyrela.

Informações complementares referentes ao Empréstimo com Garantia de Imóvel: mínimo de 36 meses e máximo de 144 meses. “””Exemplo – Empréstimo de R$ 200.000,00 para pagar em 12 anos (144 meses) com LTV de 42,79% (sendo R$ 200.000,00 + despesas acessórias, para um apartamento avaliado em R$ 500.000,00) – Prestação inicial de R$ 2.894,10, com uma taxa de juros de 0,99% ao mês + IPCA, Sistema de Amortização Tabela Price. CET de 13,38% ao ano.”””


O cashme.com.br (“Website”) é pertencente e operado pela Cyrela Brazil Realty Empreendimentos e Participações (“CashMe”), uma sociedade anônima registrada sob o CNPJ/MF 73.178.600/0001-18

A CashMe, por sua vez, possui sede na Rua Olimpíadas, 242, 4º andar, CEP 04551-000, na cidade de São Paulo/SP.