O que é o PIX? Conheça o novo meio de pagamento do Banco Central

ícone de calendario

Atualizado:
28/09/2020

ícone de calendario

Publicado:
28/09/2020

ícone de relógio

Leitura de
8 min

ícone de conversa

Comentarios
0

CashMe

CashMe


Pix é um tipo de pagamento instantâneo e digital, disponível 24 horas por dia e sete dias por semana. Com ele você não vai mais precisar esperar o próximo dia útil, porque o dinheiro cai na sua conta segundos após a operação! 

A inovação foi criada pelo Banco Central, anunciada em fevereiro e estará disponível em 16 de novembro de 2020. 

No dia a dia, usamos diversas modalidades para pagar e receber dinheiro: débito, crédito, dinheiro vivo, transferências por TED ou DOC,  etc. Assim como ao longo da nossa vida financeira, fomos nos acostumando a lidar com a logística dessas modalidades, agora iremos nos acostumar a uma nova forma de transferência monetária: o PIX.  

A novidade foi anunciada pelo Banco Central em coletiva de imprensa, no dia 19 de fevereiro de 2020, ocasião em que a marca que simboliza o Pix foi lançada pela instituição.  

O que é Pix

Pix é o nome (não é uma sigla!) dado ao novo meio de pagamento digital criado pelo Banco Central. Sua característica principal é, através de uma transferência, poder pagar e receber o dinheiro instantaneamente a qualquer hora do dia, independentemente da transação ser efetuada em feriados, finais de semana ou após o horário bancário. 

Por ser um pagamento instantâneo, sem intermediários, a disponibilização do dinheiro após a transferência acontece poucos segundos depois da operação. O Pix estará disponível ao público geral no dia 16 de novembro. 

Em seu site, o Banco Central explica: 

“Pagamentos instantâneos são as transferências monetárias eletrônicas na qual a transmissão da ordem de pagamento e a disponibilidade de fundos para o usuário recebedor ocorre em tempo real e cujo serviço está disponível durante 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias no ano. As transferências ocorrem diretamente da conta do usuário pagador para a conta do usuário recebedor, sem a necessidade de intermediários, o que propicia custos de transação menores.”

Como funciona o Pix

Sabe aquela transferência descomplicada e rápida que você faz entre contas de um mesmo banco? O Pix acontecerá de forma semelhante, mas, por não ter intermediário, a instantaneidade da operação ocorrerá independente do tipo de banco, conta, horário ou dia. 

Na transferência, você costuma informar dados como banco, agência, número da conta e CPF do recebedor, certo? No Pix, a operação pode ser feita informando apenas um dado ou pela leitura de um código ao apontar a câmera do celular para a imagem (QR Code). Mais à frente, explicaremos melhor como o recebedor pode escolher e vincular esses dados a uma conta da qual seja titular. 

Meu banco vai ter Pix?

Antes disso, é importante destacar que o Banco Central estabeleceu que todas as instituições de pagamento com mais de 500 mil contas de cliente ativas serão obrigadas a oferecer o Pix. As que tiverem um número menor de contas também podem participar do sistema, mas sem a obrigatoriedade. 

O Pix é um aplicativo?

Um outro detalhe fundamental é que as instituições devem disponibilizar a forma de pagamento dentro dos seus próprios canais de acesso (aplicativos, internet banking, caixas eletrônicos). Por exemplo, assim como seu banco oferece as opções de TED e DOC no menu dos aplicativos do celular ou no caixa, ele deverá oferecer uma nova opção a partir de novembro: o Pix. 

Ou seja: o Pix não é um aplicativo específico! O serviço provavelmente será embutido em uma nova atualização nos canais de acesso e a forma como será feita é de responsabilidade dos bancos. 

A maioria das instituições já está disponibilizando informações sobre a logística do Pix em seus sites. Confira as informações do seu banco. 

Entretanto, o Banco Central acredita que o celular será o principal meio para fazer um Pix, seguindo as tendências de incluir processos digitais a nossa rotina.

Gosta de inovação? Veja como utilizar as novas tecnologias para cuidar das finanças.

Qual valor máximo e mínimo do Pix?

O Banco central não estipulou valores máximos e mínimos para o Pix, ficando à critério de cada banco colocar ou não um limite para a operação.

O Pix vai ter custo?

O pagamento instantâneo será gratuito para pessoas físicas. Os valores para pessoas jurídicas ainda não foram estabelecidos pelos bancos, mas devem ser bem menores se comparados às taxas de outras transferência.

Quem pode fazer um Pix?

Um dos principais objetivos do Banco Central com a criação do Pix é deixar mais eficiente e competitivo o mercado de pagamentos de varejo no Brasil. Aquela facilidade e instantaneidade da transferência entre contas de um mesmo banco, agora se estende a operações comerciais e até de pagamento de imposto. 

O Pix poderá ser utilizado para operações:

  • Entre pessoas físicas (CPF para CPF);
  • Entre pessoas físicas e empresas (CPF para CNPJ);
  • Entre empresa para empresa (CNPJ para CNPJ);
  • De pagamento de impostos;
  • De pagamento de salário, benefícios sociais, convênios e serviços.

O que é preciso para fazer um Pix?  

Do lado do usuário pagador ou recebedor, o único requisito é ser uma pessoa física ou jurídica com uma conta transacional. E essa conta não precisa, necessariamente, ser uma conta corrente. Ela pode ser conta poupança ou conta de pagamento pré-paga. O fundamental é ter uma conta vinculada às instituições financeiras ou instituições de pagamento participantes do Pix – valendo, inclusive, contas em fintechs

Como fazer pagamento por Pix

Segundo o Banco Central, existirão três formas de fazer um Pix: 

  • Informando dados da conta bancária e do CPF/CNPJ, assim como em um TED ou DOC;
  • Informando uma chave Pix;
  • Lendo um QR Code com a câmera do celular.

Além disso, será possível fazer agendamentos de Pix. 

Como receber pagamento por Pix

Já para receber um Pix, existem três alternativas: 

  • Informar uma chave Pix; 
  • Informar dados de uma conta bancária;
  • Gerar um QR Code e apresentá-lo ao pagador.

A geração do QR Code dependerá do canal de acesso de cada banco. Depois que o pagador ler o código ou informar os dados do recebedor e efetuar a transação, o dinheiro será encaminhado, em tempo real, para a conta vinculada.

O que são chaves Pix

As chaves Pix ou chaves de endereçamento são dados que indicam a conta para depósito do valor da transferência. Em uma comparação simplória, podemos dizer que as informações em uma transferência são endereços que mostram ao banco a quem deve ser enviado aquele dinheiro.

As chaves Pix, portanto, são identificadores de uma conta que o próprio titular atribuirá junto ao seu banco. Até agora, o Banco Central permitiu adotar como chave Pix as seguintes informações:

  • CPF/CNPJ;
  • E-mail;
  • Número de telefone celular;
  • Chave aleatória.

O cadastro das chaves será feito pelas instituições a partir de 5 de outubro. Se você cadastrar uma chave que seja seu CPF, por exemplo, bastará informá-lo ao pagador para receber o dinheiro na sua conta cadastrada. 

Vale ressaltar que o Pix não exige, necessariamente, a criação de uma chave, podendo ser realizado pela leitura do QR Code ou com os dados bancários. Entretanto, a ideia das chaves é um ponto fundamental para dar esse caráter mais eficiente, ágil e moderno às transações de pagamento. Ao invés de informar banco, agência, conta, CPF,etc; o pagador vai informar apenas um dado e pronto! 

Comparação com outras formas de pagamento

Pela descrição, pode parecer que o Pix vem para colocar TEDs e DOCs no esquecimento. Afinal, diferente destes, o Pix não depende de horário e o dinheiro cai na conta do recebedor quase instantâneamente. Mas ele é, na verdade, apenas mais uma forma de pagamento autorizada pelo Banco Central. 

Entretanto, é fato que  o Pix vai facilitar transferências entre pessoas e a relação entre consumidores e estabelecimentos comerciais. Agora, no caixa, é bem provável que o atendente te pergunte: dinheiro, cartão ou Pix?

Abaixo, apresentamos as principais características do Pix e de outras formas de pagamento. 

  • Pix: dinheiro cai instantaneamente, pode ser feito em qualquer dia e horário, transação mais rápida com o uso da chave Pix, sem custo para pessoa física e, geralmente, não tem limite máximo.
  • TED: dinheiro cai no mesmo dia somente se for feito dentro do horário do banco e em dias úteis, aceita transferências maiores do que R$ 5 mil, requer conhecimento de dados bancários do recebedor.  
  • DOC: dinheiro cai no próximo dia útil se a operação for feita dentro do horário do banco e em dias úteis, aceita transferências até R$ 4.999,99, requer conhecimento de dados bancários do recebedor.  
  • Cartão de débito: requer uso ou gasto com maquininhas por parte da empresa, dinheiro é disponibilizado para a empresa cerca de dois dias após a operação. 
  • Cartão de crédito: alguns cartões exigem taxa de anuidade do consumidor, requer uso ou gasto com maquininhas por parte da empresa, permite parcelar, o valor da compra é disponibilizado para a empresa cerca de 28 dias após a transação. 
  • Boleto: gerar boletos é uma tarefa que segue regras específicas, podendo o seu pagamento levar até três dias úteis para ser processado e recebido pela empresa

Qual a vantagem para os bancos?

A ideia do Banco Central é que as taxas para os bancos sirvam apenas para cobrir os gastos da instituição com a operação do Pix. O custo para os bancos será de R$ 0,01 a cada 10 transações feitas.

Qual a vantagem para o meu negócio?

O Pix pode trazer grandes novidades para o empreendedor, em especial para o seu fluxo de caixa. Pagamentos no cartão de crédito e débito, por exemplo, não são recebidos imediatamente pelo empreendedor apesar da compra/venda já ter sido efetuada. Isso, claro, exige uma boa gestão para não ficar sem dinheiro no caixa. 

Com o Pix, o dinheiro “cai” na hora, facilitando, e muito, a vida das empresas. Além disso, ter formas variadas de pagamento é sempre vantajoso para o comerciante e o consumidor, ainda mais se essas opções acompanham a evolução digital que a sociedade vive. Atualmente, o público tende a preferir se relacionar com empresas que possuem o mesmo nível de tecnologia que ele usa em sua rotina.  

Pix é seguro?

As operações do Pix são protegidas pelo mesmo sigilo bancário que protege operações como o TED e o DOC e, em breve, pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Além disso, as instituições contam com seus protocolos de segurança para transações digitais. 

As fraudes que possam vir a acontecer serão tratadas da mesma forma como são tratados os casos de fraude bancária atualmente, cabendo à instituição que oferece o serviço analisar a situação e fazer um eventual ressarcimento.

Conclusão

O Pix é uma inovação criada pelo Banco Central para modernizar e deixar mais eficiente as transações monetárias digitais. Ele é uma forma de fazer pagamento instantâneo, a qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana. Informando uma chave Pix, lendo um QR Code ou digitando os dados bancários do recebedor; você poderá fazer transferências, comprar em estabelecimentos, pagar impostos e mais! 

As transações por Pix serão oferecidas dentro dos próprios canais de acesso dos bancos, não sendo necessário baixar aplicativos específicos nem nada do tipo. Para poder fazer um Pix, é necessário ter um CPF ou CNPJ e uma conta em uma instituição que ofereça essa modalidade de pagamento. 

O Pix será disponibilizado ao público geral no dia 16 de novembro de 2020, mas, no dia 5 de outubro, os bancos já poderão fazer o cadastro das chaves Pix – dados que identificam e vinculam um titular a sua conta bancária e que poderão ser informados para agilizar a transferência. 

Essa inovação apresentada pelo Banco Central acompanha as transformações digitais que, cada vez mais, incorporamos no nosso dia a dia. As fintechs são um bom exemplo de como a tecnologia facilitou e deixou mais eficaz nossa vida financeira. 

Da criação de uma conta bancária até a concessão de créditos, essas empresas que trabalham na otimização de serviços financeiros ganham mercado e espaço na rotina dos brasileiros. 

A CashMe, fintech do grupo Cyrela, é um exemplo de empresa que trouxe agilidade, facilidade e segurança para o mercado de empréstimo com garantia de imóvel. Quer saber mais?Acesse o site e conheça nossas condições!

E, você, o que achou do Pix? Se gostou do texto, compartilhe com amigos para que eles também fiquem por dentro dessa nova forma de pagamento!


CashMe

Escrito por CashMe

Equipe de redação de CashMe. Todos os conteúdos são revisados por especialistas do ramo e atualizados periodicamente.


Separamos mais essas notícias para você:

Faça seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

CONCORDAR E FECHAR