Com a chegada do coronavírus, inúmeras empresas estão procurando métodos para não entrar em falência durante esse período. 

Atualmente estamos entrando em tempos de crise no Brasil e no mundo. Isso está acontecendo devido a uma pandemia, que dominou em pouco tempo inúmeros países e que está levando muitas pessoas até mesmo à morte. 

Nesse cenário que vivemos é impossível fugir de problemas financeiros. A quarentena, uma medida adotada para que o vírus não se espalhe ainda mais, faz que comércios sejam fechados e que parte das empresas de pequeno e médio porte entre em tempos de crise

Por isso, você, dono de empresa, independente de qual seja o tamanho, está buscando medidas para evitar que o seu negócio vá à falência, acompanhe o nosso artigo e veja as melhores dicas sobre o que fazer para esse infortúnio não acontecer. Leia e entenda!

Coronavírus: o que é?

Em primeiro lugar precisamos entender o que é o coronavírus e como essa pandemia transformou a nossa realidade. Em meados de novembro e dezembro de 2019, surgiu na China um novo vírus, que aparentemente não soava ameaçador. Contudo, com o aumento de número de casos em pouco tempo, mostrou-se que não era tão simples assim.

Em pouco tempo países asiáticos – em especial a China – entraram em tempos de crise. O coronavírus, chamado cientificamente de Covid-19, é um problema altamente contagioso, apesar de não ser muito grave. A sua fácil transmissão faz que muitas pessoas fiquem doentes e que hospitais encham até o limite, causando a superlotação.

O vírus atinge mais a um grupo específico, idosos e pessoas com problemas respiratórias. No entanto, sem atendimento médico devido aos hospitais lotados, uma pequena doença vira um grande problema, fazendo que inúmeras pessoas morram sem atendimento. 

Tempos de crise para as empresas

Os tempos de crise não são somente para a saúde mundial, mas também para os negócios. Com um vírus altamente contagioso, a única maneira de salvar a população dessa pandemia é realizando uma quarentena, fazendo que somente os serviços essenciais funcionem – e até mesmo isso seja reduzido.

Muitas empresas, que não possuem um capital guardado para emergência, estão entrando em desespero. Um problema como este jamais passaria pela mente dos empresários, ou seja, muitos deles nunca tiveram um fundo emergencial e estão tendo prejuízos absurdos com a falta de funcionamento.

Mas, independente do desespero dos empresários, a quarentena não pode parar.  Mesmo que tudo volte a funcionar, muitas pessoas estariam fadadas à morte e, consequentemente, o comércio afetado pela falta de clientes. Ou seja, é uma verdadeira crise, que atinge a todos os setores. 

Empréstimo pode ajudar em tempos de crise?

As empresas que não possuem fundos para períodos problemáticos como estes podem recorrer a uma série de serviços, sendo o empréstimo – claro, se for bem escolhido – uma das principais ferramentas de solução. 

Para provarmos essa teoria, mostraremos em quais pontos um empréstimo para a empresa que vive em tempos de crise pode ajudar e como isso pode evitar que o negócio vá a falência durante a pandemia. 

Dinheiro para caixa

Em primeira instância, um empréstimo poderia devolver o dinheiro para o caixa. Mesmo que ter capital reservado seja uma atitude básica do negócio, muitas vezes isso não é uma realidade e faz que estes se afundem em problemas grandes como o que estamos vivendo, que é o coronavírus.

Em tempos de crise, para devolver a verba essencial para o funcionamento da empresa, o empréstimo pode ser a melhor solução. Mesmo que depois uma quantia mensal seja destinada para pagar esse valor tomado, essa é uma das únicas opções para salvar o negócio. 

Salário dos funcionários

Além disso, o empréstimo também é fundamental para continuar havendo o pagamento dos funcionários. Muitas empresas acabam atrasando ou até mesmo deixando de dar o dinheiro para o seu quadro de trabalhadores, fazendo que muitos entrem em desespero e decidam até mesmo largar o emprego.

Esse é um erro fatal, pois ao tempo que deixam de pagar os salários dos funcionários, automaticamente colocam menos dinheiro para girar a economia. São esses mesmos trabalhadores que usufruem dos produtos de uma empresa e consequentemente fazem que a economia gire. Sem salário, isso não acontece. 

Fundo emergencial 

Por último e não menos importante, em tempos de crise um empréstimo pode servir para reaver um fundo emergencial. Todas os negócios deveriam ter esse planejamento, pois nunca se sabe quando pode acontecer uma situação como esta que estamos passando do coronavírus.

Mesmo que contratar um empréstimo gere uma pequena taxa mensal, talvez pagar essa mensalidade seja mais favorável do que colocar a vida da empresa em risco e leva-la até mesmo à falência pela falta de planejamento. 

Empresas entram em falência por falta de planejamento?

Adentrando um pouco sobre o que falamos no item acima, uma empresa pode, sim, entrar em falência pela falta de planejamento. Aqueles negócios que estão sempre no limite do caixa, que nunca tem um fundo emergencial e muito menos valorizam o seu funcionário estão fadados a fechar até mesmo sem estar em tempos de crise.

Por isso, para que o seu negócio não faça parte dessas estatísticas, seja um empreendedor inteligente. Organize as verbas de sua empresa e saiba adotar estratégias quando houver uma situação como a atual. Somente dessa forma realmente o seu empreendimento vai ser de sucesso.

É importante salientar que no período de pandemia que estamos vivendo, o auxílio do Governo Federal também é de suma importância, pois nem sempre todas essas precauções são suficientes. 

Como evitar a falência da minha empresa?

Pensando estrategicamente em como não deixar a sua empresa entrar em falência nesses tempos de crise, agora precisamos saber táticas coerentes e bem posicionadas a fim de que esse período passe e não deixe muitas sequelas ao negócio.

Por isso, atente-se as nossas dicas e veja se é possível adequá-las a sua empresa. Caso seja, não hesite em adotá-las, pois mesmo que o próprio Governo tome medidas para ajudar, é preciso ter planejamento e organização. 

Rotatividade de funcionários

O maior erro dos empresários é de achar que mandando funcionários embora, que toda a problemática com falta de dinheiro irá acabar. Se não há pessoas recebendo, automaticamente não há quem gastar em seu negócio. Simples e fácil de entender, porém muitos ignoram essa realidade.

Se você está com problemas para pagamento ou seus funcionários precisam entrar em quarentena, faça uma rotatividade. Escolha no quadro de dias quais devem trabalhar em determinados horários e datas e quais podem fazer o serviço de casa. Planejamento nesses momentos é a melhor solução, não demissão. 

Delivery 

Além da rotatividade de funcionários em tempos de crise é muito interessante adotar a opção de entrega por delivery. Mesmo que o seu negócio não seja de alimentos, como o delivery normalmente funciona, talvez essa seja a melhor opção em meio ao período de quarentena que estamos vivendo.

Além de não deixarem os trabalhos totalmente parados e sem faturamento, está ajudando pessoas que trabalham com entrega e que estão sofrendo durante os tempos de crise e até mesmo com a falta de oportunidades para trabalhar. 

Empréstimo

Por último e novamente ressaltando como é importante ter capital, o empréstimo, sem dúvida alguma, pode ser a melhor opção neste momento. Enfatizamos que se este for bem escolhido, mesmo que haja uma taxa mensal a ser paga, ela se torna ínfima perante os tempos de crise que estamos vivendo. 

Por isso, tire um tempo de sua quarentena e busque sobre os melhores e piores empréstimos atualmente e qual poderia ser adotado para a sua empresa. Dessa maneira podemos fazer a economia girar e todas as empresas continuarem intactas. 

Empréstimo em tempos de crise: qual devo evitar?

Para que você e sua empresa saiam intactos em tempos de crise é muito importante fazer uma boa escolha de empréstimo. Mesmo que a intenção desses serviços seja de ajudar o consumidor, muitos deles podem se tornar em uma nova dívida e virar uma cilada para o contratante.

Para isso fizemos uma pequena sintetização dos empréstimos mais comuns no Brasil, que representam, infelizmente, as piores opções do mercado. Veja o que cada um oferece e entenda como estes podem ser ainda mais prejudiciais ao seu negócio. 

Coronavírus: mantendo a sua empresa de pé durante a crise

Empréstimo consignado

Em primeiro lugar temos o empréstimo consignado. Esse modelo contabiliza toda a sua renda entrando até mesmo o valor de benefícios dados pelo Governo, como a aposentadoria, para disponibilizar o capital ao contratante.  A empresa também analisa a sua renda atual, o preço de seus imóveis e até mesmo o lucro ganho através de um negócio autônomo. 

Dessa maneira, a empresa consegue adquirir um valor mais alto que os demais métodos de empréstimos brasileiros.  Nessa modalidade, a dívida é debitada mensalmente de sua conta, tornando-se um perigo para uma instituição financeira não tão grande, pois todos os meses haverá de onde retirar a quantia, independente de como esteja a situação do negócio.

O processo pode ser realizado virtualmente através do site da agência, mas, independente de qual seja o contratante, este pode ser um método arriscado, pois as taxas são altíssimas perante o mercado e o tempo de parcelamento bem menor que outros modelos. Portanto, realizar esse empréstimo em tempos de crise não seja a melhor opção. 

Crédito pessoal

Em segundo lugar, sem sombra de dúvidas, temos o famoso crédito pessoal, um modelo que é feito diretamente com uma agência bancária. Para isso é discutido com o gerente de seu banco a situação financeira que a sua empresa se encontra e é julgado o quanto eles podem ceder para a situação prescrita, como dívidas, investimentos, entre outros. 

Essa discussão pode ser realizada e firmada no mesmo dia, sem grandes dificuldades, tornando o processo muito mais fácil perante outros métodos. Contudo, também não indicamos esse serviço, pois os bancos brasileiros cobram taxas altíssimas, que podem chegar até mesmo a 8% ao mês, mesmo que ofereçam descontos especiais durante o período de coronavírus que estamos vivendo.  

É importante salientar que o crédito pessoal está sendo massivamente empurrado contra as empresas, pois os bancos também estão em risco. Muitas agências disponibilizam gerentes virtuais, que atendem aos usuários e combinam os valores de aquisição pela própria internet. No entanto, indicamos que você busque sobre outros métodos, pois este, apesar de ser rápido, possui muitas desvantagens quanto aos prazos e taxas.

Cheque especial

Por último e não se tratando necessariamente de um empréstimo propriamente dito, temos o cheque especial. Este é um método que qualquer pessoa com uma conta corrente e um cartão de crédito pode retirar alguma quantia do banco através do cartão disponibilizado pelo banco – inclusive empresas, que possuem contas bancárias para o negócio. 

Sem dúvida alguma, o cheque especial, apesar de comum, é também um dos que menos indicamos. Ele possui as maiores juros do Brasil e o menor prazo de pagamento dentre os demais, além de não oferecer ao cliente uma boa proposta de contratação. Ou seja, essa contratação pode se tornar uma grande dor de cabeça caso o empreendimento não tenha o dinheiro para pagar de imediato. 

A taxa pode chegar até mesmo a 12% ao mês e ainda ser cobrada uma multa diária por atraso. O tempo para quitação do valor é de 45 dias, podendo deixar o seu nome sujo perante o Governo. Portanto, somente contrate esse serviço se for de emergência e, ainda mais, se for um valor baixo, para que os juros sejam menores e menos prejudiciais.

Qual o melhor empréstimo para contratar atualmente?

Em contrapartida aos métodos anteriores, existe um empréstimo que está chegando ao Brasil e que pode ser uma ótima opção para empresas que precisam de capital urgente para não declararem o estado de falência do negócio. 

É importante salientar que para adquirir esse modelo de empréstimo em tempos de crise, as agências que as oferece delimitam o valor mínimo de R$100.000,00, ou seja, uma quantia alta, equivalente para quem está com um problema grande ou é proprietário de uma grande empresa. 

Por isso, consulte bem um administrador e saiba se realmente você precisa desse valor ou se até mesmo é necessário mais que isso para que o seu empreendimento não entre em crise acabe fechando durante o período de pandemia. 

Empréstimo Home Equity

O método que estamos falando é o Home Equity, conhecido também como empréstimo com imóvel como garantia. Muito comum nos Estados Unidos, ele funciona da seguinte maneira: você utiliza um imóvel qualquer, com equivalência a R$100.000,00 ou mais, como garantia de falta de pagamento das mensalidades.

Pode parecer um tanto temeroso, porém não é! Mesmo que seja estritamente necessário utilizar algum imóvel como garantia, quando se toma essa atitude, a agência automaticamente abaixa as taxas mensais e torna o parcelamento mais otimizado de acordo com cada contratante.

Ou seja, a prestadora de serviços usa do seu imóvel para garantir preços baixos e condições mais favoráveis para pagamento. Sem dúvida alguma, é uma ótima opção, pois com todos os valores reduzidos, raramente uma empresa deixa de pagar a quantia contratada nas datas estipuladas. 

Home Equity pode ser feito virtualmente?

Como nos encontramos em tempos de crise devido à pandemia do coronavírus, a quarentena foi a única opção para diminuir o contágio e fazer que esse problema desapareça. Mas no meio disso surge uma dúvida: se a minha empresa está sofrendo com essa decisão e precisa de um empréstimo para não entrar em falência, como contratar o serviço se o país encontra-se em isolamento social?

O Home Equity contratado através da CashMe pode ser feito totalmente pela internet, até mesmo com a opção de realizar uma simulação. Não é preciso se deslocar para uma agência física e infringir os decretos que proíbem o funcionamento de estabelecimentos do tipo ou a saída de casa.

Por isso, não é preciso se preocupar. Não somente o Home Equity, mas também muitos outros métodos estão disponibilizados para contratação online, sem a necessidade de que haja uma conversa pessoal e contrato assinado em lojas físicas.

CashMe para empréstimos em tempos de crise 

Ao fim entendemos que é possível trabalhar para que a sua empresa não entre em falência em tempos de crise. Apesar de estarmos em uma fase difícil com o coronavírus no Brasil e no mundo é possível adotar medidas, como a contratação de um empréstimo, para que o seu negócio não se feche e gere ainda mais problemas além do vírus propriamente dito. 

Gostou do texto? Faça uma simulação com a gente! Os nossos juros são inferiores a 1% ao mês, além do parcelamento poder chegar até mesmo a 180 meses.

Compartilhe e deixe a sua opinião, queremos saber.