Veja e compare as modalidades de empréstimo mais comuns para escolher a sua

Não sabe qual tipo de empréstimo fazer? Calma, a CashMe ajuda. Confira:

Não é novidade de que o Brasil é um dos países com as maiores taxas de juros. Devido a isso e a recente crise econômica que se instalou no país, cresce cada vez mais o número de endividados. Por conta disso, o Brasil é também um dos países que mais consomem atividades relativas à concessão de crédito.

Quando o assunto é empréstimo, a atenção deve ser redobrada. É preciso fazer um planejamento e pesquisar qual a modalidade de linha de crédito mais se adequa a sua necessidade e ao seu orçamento. Existem diversos tipos de empréstimo e seus valores e regras variam de acordo com empresas bancárias ou financeiras.

Os tipos de empréstimo funcionam por meio de uma classificação, de modo que cada modalidade terá uma maneira de cobrança, uma taxa de juros e uma forma de pagamento diferenciada. Alguns também possuem uma finalidade específica, mas geralmente não é necessário justificar o uso do dinheiro recebido. 

Conhecer todos esses tipos é essencial para a educação financeira, assim como ajuda na hora de solicitar um empréstimo. Escolher a errada pode transformar o empréstimo em mais uma dívida impossível de ser paga.

Quais são os tipos de empréstimo que existem no mercado financeiro?

Para saldar as dívidas, uma boa opção é recorrer ao pedido de um empréstimo. Apesar de deixar muita gente com receio ao escutar essa palavra, solicitar um empréstimo permite que o consumidor troque uma dívida mais cara por uma mais barata ou substitua muitas dívidas por uma única. 

Além disso, o crédito liberado pode ser usado também para investir em empresas, abrir um novo negócio, cobrir gastos de estudo, comprar um novo imóvel e outros.

Porém, antes de fazer um empréstimo, é preciso se planejar e ter a certeza de que é necessário fazê-lo. Pesquisar a respeito de todas as modalidades de linha de crédito existentes no mercado financeiro é essencial para não escolher a errada e acabar com mais uma dívida que deveria ser a solução delas. 

Confira a seguir quais são os tipos de empréstimo mais comuns e as diferenças entre eles.

  1. Empréstimo Pessoal

Sendo o tipo mais comum de empréstimo, é também o mais básico. O consumidor solicita-o em uma empresa bancária ou financeira, que analisa o perfil e o histórico financeiro do mesmo e fornece uma opção de pagamento da dívida. O responsável por realizar o pagamento das parcelas é o próprio crediário, de modo que é preciso ficar atento para não esquecer. 

As taxas de juros são consideradas medianas: nem as mais altas do mercado, nem as mais baixas. Isso se dá pelo fato de que não há nenhuma garantia de que a financeira irá receber o dinheiro de volta além do próprio contrato. No entanto, não é possível fazê-lo caso esteja com o nome negativado.

  1. Empréstimo com Garantia

Conhecido também como Home Equity, nessa modalidade de empréstimo o cliente coloca um bem como garantia de que a dívida será paga. Esse bem pode ser um imóvel, veículo, o próprio salário ou até jóias. Os bens mais comuns e que mais aumentam as chances do empréstimo ser aprovado são o imóvel e o veículo.

As taxas de juros dessa linha de crédito são as mais baixas do mercado, por conta de existir uma garantia. Além disso, os prazos de pagamento e o montante liberado são os maiores dentre todos os tipos de empréstimo.

No caso de um imóvel, o valor liberado pode ser de até 60% do valor total do imóvel. Já no caso de um veículo, o valor liberado cobre até 80% do valor total do automóvel. O bem é transferido indiretamente para a financeira, com usufrutos do cliente. Essa operação é chamada de alienação fiduciária. 

É possível fazer esse tipo de empréstimo mesmo quando está com o nome negativado, dependendo da análise de crédito, apesar de que nem todas as instituições financeiras oferecem essa opção.

No caso de inadimplência, ou seja, o não pagamento de parcelas por 3 meses ou mais, a financeira irá entrar em contato com o crediário para disponibilizar diversas opções de renegociação da dívida.

 Porém, caso não encontre uma solução que seja favorável para ambas as partes, em último caso, o bem pode ser retomado pela financeira.  Por conta disso, são raros os casos de inadimplência nessa modalidade.

É importante ressaltar que a empresa bancária ou financeira não tem interesse algum em ficar com o bem oferecido como garantia, uma vez que isso trará custos para a instituição, que deverá arcar com eles.

  1. Empréstimo Consignado

A modalidade de linha de crédito com a segunda menor taxa de juros do mercado tem todas as parcelas descontadas diretamente da folha de pagamento ou benefício do crediário. Isso acontece antes mesmo do salário, pensão ou aposentadoria chegar na conta do cliente, fazendo com que a parcela sempre seja paga.

Essa segurança faz com as taxas sejam mais baixas, já que a instituição financeira terá a certeza do recebimento. Contudo, esse empréstimo não pode ser feito por qualquer pessoa: somente aposentados e pensionistas do INSS, trabalhadores de CLT e trabalhadores do servidor público podem solicitá-lo.

Por conta de o pagamento da parcela sair direto da folha do pagamento ou benefício, é comum esquecer de colocar as despesas desse empréstimo no planejamento mensal. Percebendo assim que não tem dinheiro para pagar as contas mesmo após o salário ou benefício cair.

  1. Empréstimo pelo Cartão de Crédito

Essa modalidade de empréstimo é considerada a mais perigosa e a mais comum de todas. Isso se dá pelo fato de que, muitas vezes, o consumidor nem mesmo percebe que adquiriu o empréstimo pelo rotativo do cartão de crédito. Possui uma das taxas de juros mais caras do mercado financeiro.

O dono do cartão de crédito tem duas escolhas quando chega a fatura do mês: pagar o total ou quitar o valor mínimo estabelecido. Porém, quando escolhe pagar apenas o mínimo, judicialmente está pegando um empréstimo do valor restante da fatura. Causando o efeito bola-de-neve das dívidas, é uma das maiores causas de endividamento do brasileiro.

Por conta disso, as regras para o uso do pagamento mínimo foram alteradas recentemente pelo Banco Central. Antes, era possível pagar o valor mínimo por vários meses, o que fazia a dívida ficar gigantesca. Após as mudanças, só é possível usar esse recurso em um mês. No mês seguinte, a fatura já deve ser paga em seu total. Caso contrário, o consumidor ficará inadimplente,

  1. Empréstimo pelo Cheque Especial

Apesar de ser muito parecido com o empréstimo pessoal, tem menos burocracia e o valor disponível também é menor. Sendo a segunda taxa de juros mais alta do mercado, o banco libera um valor X todos os meses na conta do cliente, como a condição de Cheque Especial. 

Se o consumidor escolher usá-lo, não é preciso pedir autorização ou informar à instituição financeira, basta passar o cartão ou sacar no caixa eletrônico Devido a essa facilidade de uso, também acaba sendo um empréstimo bastante comu. No entanto, tanta facilidade cobra um alto preço, aplicados nos juros. 

  1. Empréstimo por Antecipação do Décimo Terceiro

A vantagem deste empréstimo é que suas taxas de juros costumam ser menores em relação aos outros tipos de crédito. Contudo, é preciso ficar atento, uma vez que mesmo que o empregador não deposite ou atrase o 13º salário, a dívida será descontada de sua conta-corrente no dia do vencimento.

O consumidor abre mão de receber o 13º salário quando solicita esse empréstimo. Ao final do ano, os gastos costumam ser maiores, de modo que é preciso pensar bastante antes de fazer a antecipação do 13º salário.

Quais são as diferentes entre os tipos de empréstimo?

Confira a seguir quais são as principais diferenças entre as modalidades de linhas crédito mais comuns do mercado financeiro.

  • Juros

Bastante popular, costuma ser temida pela população brasileira. E não é para menos, uma vez que o Brasil possui uma das maiores taxas de juros do mundo. Apesar de nãos er o único gasto de um empréstimo, é talvez o mais importante, já que determina o quanto será pago por esse crédito.

É importante lembrar que, independente da modalidade de crédito, um empréstimo não pode comprometer mais do que 30% de sua renda mensal. Caso ultrapasse esse limite, o empréstimo pode ser negado.

Veja abaixo uma comparação entre os tipos de empréstimos citados acima:

  1. Empréstimo Pessoal: 4,73% ao mês.;
  2. Empréstimo com Garantia de Imóvel: 1,39% ao mês.
  3. Empréstimo Consignado: 2,04% ao mês.;
  4. Rotativo do Cartão de Crédito: 14,3358% ao mês.;
  5. Cheque Especial: 13,03% ao mês.
  • Prazo de Pagamento

A duração de um empréstimo é calculada de acordo com a renda mensal do consumidor, assim como seu histórico de pagamento, idade e, claro, valor total a ser pago pelo empréstimo. O ideal é ter um prazo que seja o suficiente para que possa organizar as finanças e arcar com as parcelas sem dificuldades.

Confira a comparação:

  1. Empréstimo Pessoal: 5 anos;
  2. Empréstimo com Garantia de Imóvel: 30 anos;
  3. Empréstimo Consignado: 10 anos;
  4. Rotativo do Cartão de Crédito: 1 mês;
  5. Cheque Especial: 180 dias.
  • Valor máximo que pode ser emprestado

Definir a finalidade do dinheiro é imprescindível para saber do quanto precisa no momento, mesmo que não precise dizê-la para a empresa bancária ou financeira. Cada linha de crédito possui um limite máximo que pode ser emprestado, por isso é preciso conhecê-las antes de escolher uma. É possível que o valor necessário não esteja disponível em uma modalidade, mas sim em outra.

Veja a comparação:

  1. Empréstimo Pessoal: 20% da renda bruta comprovada;
  2. Empréstimo com Garantia: 60% do valor da casa (teto de R$ 2 milhões) e 80% do valor do veículo;
  3. Empréstimo Consignado: parcelas de 35% do salário / benefício do INSS;
  4. Rotativo do Cartão de Crédito: 85% da sua fatura do cartão;
  5. Cheque Especial: negociado entre o cliente e o banco.
  • Finalidade do Empréstimo

Em geral, a maioria das modalidades de empréstimo existentes no mercado financeiro não são limitadas a finalidades pré-definidas. Isso faz com que o cliente possa utilizar o montante da forma que bem entender. 

Contudo, existem aquelas em que o dinheiro deve ser usado para um fim específico, como o empréstimo para empresas, por exemplo, ou o financiamento, que deve ser usado somente para a compra de bens.

Qual é o tipo de empréstimo mais vantajoso nos dias atuais?

Apesar de ser mais popular fora do Brasil, o Empréstimo com Garantia de Imóvel é o mais indicado para quem está atolado em dívidas e não sabe como se livrar delas. Especialmente se forem dívidas com taxas de juros altas ou mais de uma dívida, que deveria ter sido paga muitos anos antes.

De todas as modalidades de linha de crédito, é a que possui as menores taxas de juros mensal, ficando pelo menos 0,65% abaixo do que o concorrente mais próximo. Isso quer dizer que o consumidor pagaria ao ano um valor 7,8% menor do que com o empréstimo consignado.

Além disso, o empréstimo com garantia de imóvel possui os maiores prazos para que o valor seja quitado, chegando até no máximo 30 anos. Isso permite que o cliente gerencie bem o valor recebido sem fazer com que cresça muito por conta dos juros. É também o que disponibiliza o maior montante.

Porém, independente da modalidade de empréstimo escolhida, é preciso que se planeje e verifique os gastos mensais antes de solicitar o crédito. Fazer uma simulação de empréstimo também ajuda na hora de escolher e comparar todos as taxas. Afinal, o empréstimo deve ser uma solução e não mais um problema.

Gostou do texto? Faça uma simulação com a gente!  Compartilhe e deixe a sua opinião, queremos saber. Que saber mais sobre o assunto? Veja:

Os 6 erros mais comuns na hora de pedir um empréstimo

7 motivos para pedir um empréstimo

9 situações em que se deve fazer um empréstimo