Cuidar do dinheiro exige muito mais organização e mudanças de hábitos de consumo do que cálculos e tabelas. Não gastar mais do que se ganha, fazer um controle financeiro, criar uma reserva de emergência e tomar decisões conscientes como consumidor são dicas simples que vão ajudar você a fazer um melhor uso da sua renda. 

Aprender a cuidar bem do seu dinheiro evita a frustração de ver as contas negativas apesar de todo o tempo investido no trabalho. O primeiro passo para isso é o comprometimento. Um estudo da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), realizado em 2018, mostrou que 48% dos brasileiros não controlam quanto ganham e quanto gastam

Se você não assume a responsabilidade sobre o seu dinheiro, é bem provável que seu tempo e suas finanças pessoais estejam sendo mal utilizados. Veja a seguir dez dicas para você começar a cuidar do dinheiro de forma mais inteligente. 

1. Calcule quanto você recebe e quanto gasta do seu salário

Para cuidar melhor do seu dinheiro, comece entendendo quais são suas fontes de renda. Aqui devem ser incluídos valores como salário, dividendos, aluguéis etc. Depois, escolha meses anteriores que representem bem os gastos que você tem na sua rotina. Faça uma média somando o total de gastos de cada mês, em seguida, divida o valor pelos meses analisados.   

2. Não gaste mais do que ganha

Agora, compare o valor dos seus ganhos (entradas) com a média dos gastos (saídas). O ideal é que os custos do estilo de vida não ultrapassem 70% do salário. Por exemplo, se a sua entrada mensal é de 20 mil reais, seu orçamento familiar não pode ultrapassar 14 mil reais. 

3. Faça um controle financeiro

Comprometer-se a anotar gastos já é um grande passo para aprender a lidar com o dinheiro. Isso porque é mais fácil de perceber para onde ele está indo quando visualizamos com o que gastamos. Uma dica é separar um caderno ou uma tabela e estabelecer um dia para fazer os registros.  Aplicativos de controle financeiro são alternativas fáceis, pois eles organizam os gastos em categorias e estão sempre à mão, evitando que você esqueça de uma ou outra despesa.  

4. Aprenda a elaborar um orçamento familiar

Nesse mesmo controle, detalhe a previsão dos gastos para o orçamento familiar (mesmo que você more sozinho!). Estabeleça quanto do seu dinheiro será destinado às categorias de gastos fixos, variáveis e supérfluos. 

  • Gastos fixos: aluguel, luz, água, condomínio, mensalidades escolares etc.
  • variáveis: mercado, farmácia, terapias, gasolina, academia, impostos etc.
  • supérfluos: bares e restaurantes, roupas, presentes, eletrônicos etc.

Comprometa-se a não ultrapassar o valor estabelecido. Conforme for registrando e somando os gastos ao longo do mês, perceba se ainda pode gastar ou se deve economizar naquela categoria. Atenção, quanto mais detalhado for seu orçamento melhor.

5. Calcule todas as dívidas que você tem

Durante a análise dos gastos, fique atento para as dívidas. Isso inclui contas que tenham juros ou não, inclusive compras parceladas no cartão. Priorize o pagamento dessas despesas e analise bem as vantagens de quitá-las antes do final do parcelamento. Algumas vezes, recorrer a um empréstimo online para poder renegociar o valor da dívida pode ser mais vantajoso do que o pagamento dos juros previstos.  

6. Diminua gastos supérfluos

Essa mesma dívida também pode ser quitada mais rapidamente usando aquela parte do orçamento familiar que você destina para idas a restaurantes e compras, por exemplo. Uma forma inteligente de cuidar do dinheiro é repensar mensalidades de serviços que você não usa tanto como o plano completo da academia, TV a cabo ou clube de assinaturas. Realoque esse valor e cubra seu orçamento ou, simplesmente, guarde ele para uma emergência futura.

7. Faça uma reserva de emergência

Uma das vantagens de cuidar bem do dinheiro é a tranquilidade de saber que temos uma fonte segura a qual recorrer durante um imprevisto. Essa fonte é chamada de reserva de emergência. O ideal é que ela vire uma categoria do seu orçamento até que esteja completamente formada. Por exemplo, estabeleça que, todo mês, você vai destinar X reais para a fazer a sua reserva. 

  • Reserva de emergência de um profissional assalariado: Total dos gastos mensais multiplicado por  6. 
  • Reserva de emergência de um profissional autônomo: Total dos gastos mensais multiplicado por 12.

O cálculo é baseado no tempo que a reserva poderia suprir em casos de desempregos ou baixa de vendas em um negócio, dando uma margem para que a pessoa se restabeleça. Afinal, para cuidar bem do dinheiro, além de considerar o curto prazo, também é preciso fazer projeções mais a longo prazo do uso desse dinheiro.  

8. Estabeleça metas e não viva para pagar contas

É importante entender que o retorno do seu trabalho deve ser usado para a realização de objetivos pessoais e não apenas para a manutenção da rotina e pagamento de contas. É mais fácil cuidar do dinheiro quando estabelecemos sonhos que devem ser realizados com o uso dele. 

Crie objetivos a curto, médio e longo prazo com datas claras (comprar produto Y, viajar no ano X, abrir meu negócio etc). Assim, é mais fácil manter o foco, evitando que aquele dinheiro que “sobra” no orçamento familiar fique sem “finalidade” e acabe indo para gastos mais supérfluos.

9. Calcule quanto vale a sua hora

Cuidar do dinheiro também requer que você valorize melhor o seu tempo e escolha mais conscientemente com o que, de fato, quer gastá-lo. Descobrir o valor da sua hora de trabalho é uma boa dica para isso. 

Uma maneira simples e aproximada pode ser feita dividindo o valor que você recebe pelas horas trabalhadas em um mês. Por exemplo, se o valor da sua hora é de 50 reais, um celular de 3500 reais custaria 70 horas. Ou seja, você precisaria investir 70 horas, ou três dias da sua vida aproximadamente, para fazer essa compra.  

10. Invista na sua educação financeira

Os cálculos matemáticos simples e a organização são uma pequena parte se considerarmos a importância da educação financeira e de reavaliar nossos comportamentos de consumo. Dois fatores fundamentais para quem quer aprender a cuidar melhor do seu dinheiro. Para isso é preciso assumir a responsabilidade sobre suas finanças, buscando informações como você fez ao ler o texto até aqui. Siga estudando para ganhar ainda mais autonomia sobre a gestão da sua renda.

Essas dicas foram úteis? Comente e compartilhe com a gente outras maneiras que você conhece para cuidar do dinheiro.

Agora que você sabe como cuidar do dinheiro, saiba mais sobre empréstimo pessoal para investir e aumentar sua renda.

A CashMe não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas através de parceiros autorizados pelo BACEN, nos termos da Resolução nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. As operações são realizadas através das seguintes instituições: Companhia Hipotecária Brasileira – CHB (CNPJ 10.694.628/0001-98), Companhia Hipotecária Piratini – CHP (CNPJ 18.282.093/0001-50).

Informações complementares referentes ao Empréstimo com Garantia de Imóvel: mínimo de 36 meses e máximo de 144 meses. “””Exemplo – Empréstimo de R$ 200.000,00 para pagar em 12 anos (144 meses) com LTV de 42,79% (sendo R$ 200.000,00 + despesas acessórias, para um apartamento avaliado em R$ 500.000,00) – Prestação inicial de R$ 2.894,10, com uma taxa de juros de 0,99% ao mês + IPCA, Sistema de Amortização Tabela Price. CET de 13,38% ao ano.”””


CASHME SOLUÇÕES FINANCEIRAS LTDA., com sede social na capital do estado de SP, na Rua do Rócio, nº 109, 3º andar, Sala 01 - Parte, Vila Olímpia, CEP 04.552-000, inscrita no CNPJ sob o no 34.175.529/0001-68

A CashMe, por sua vez, possui sede na Rua Olimpíadas, 242, 4º andar, CEP 04551-000, na cidade de São Paulo/SP.