Ingressar no ensino superior nem sempre é tarefa fácil por causa do alto valor de alguns cursos que ainda aumentam a cada ano. Para ajudar a realizar o sonho de entrar na universidade existe o empréstimo estudantil, boa alternativa para conseguir um trabalho na área que deseja atuar.

Já ouviu dizer que conhecimento é algo que ninguém pode roubar de você? Pois é, o conhecimento é muito valioso e pode te fazer ter uma renda três vezes superior de quem parou de estudar no ensino médio. Essa é uma das vantagens de fazer faculdade.

Segundo dados do Censo de 2018, temos mais de 8,4 milhões de jovens universitários. Desses cerca de 6 milhões estudam em universidades privadas e apenas 2 milhões em faculdades públicas.

Visto esse cenário, entende-se que a universidade privada é uma das mais procuradas. Sendo assim, em algumas famílias, a falta de recurso financeiro faz ser necessária a busca por empréstimo.

Falando sobre empréstimo estudantil temos algumas possibilidades no mercado como: Fies, Financiamento Estudantil privado, empréstimo pessoal e com garantia de imóvel.

Por que solicitar um empréstimo estudantil?

O empréstimo estudantil pode ser um impulso para que você consiga realizar o sonho de estudar e se profissionalizar. Ele pode servir também para:

  • Fazer curso profissionalizante;
  • Fazer curso superior, pós-graduação e mestrado;
  • Realizar intercambio;
  • Fazer um curso de idiomas, como inglês, sempre muito fundamental e solicitado para diversas profissões;

Programas de financiamento estudantil 

Pensando na grande procura que existe no Brasil de ingresso às universidades criamos uma pequena lista apresentando os programas de financiamento estudantil que existe no país e que imerge os jovens e adultos nesse mundo de conhecimentos.

É importante destacar que eles possuem prós e contras, apesar de ser a salvação para inúmeras pessoas. Cabe a você filtrar aquele que melhor se encaixa e prestar atenção numa dica muito importante que vamos dar logo em seguida. Acompanhe: 

Empréstimo estudantil: Fies

O programa Fies é, sem sombra de dúvidas, o projeto mais famoso de financiamento estudantil que existe no país. Ele deu abertura para que milhares de pessoas entrassem nas universidades particulares e que pudessem pagar as mensalidades após a formatura. 

 O valor cobrado por cada mês na faculdade era acrescido numa conta final, que vinha logo após a formatura – com juros. Para quem conseguisse emprego logo após colação, este era o programa ideal, porém muitas pessoas problematizaram e até mesmo fugiram do projeto por medo de se encontrarem desempregados e não conseguir pagar o valor. 

Em 2018 entrou em vigor o Novo Fies, com um conjunto de novas regras para garantir o financiamento em universidades privadas do Brasil.

Por isso, ao contratar esse programa é preciso pés no chão e muito cuidado. A quantia final a se pagar sempre é alta, além dos juros que são acrescentados, e se você estiver sem emprego pode virar uma bola de neve.

Quem pode solicitar o FIES:

  • O interessado no financiamento deve ter participado de alguma prova do ENEM a partir de 2010;
  • A pontuação na prova do ENEM deve ser superior a 450 pontos, sem poder zerar a redação;
  • Brasileiros com graduação ou não, tendo renda mensal familiar de até cinco salários mínimos;
  • Os alunos que já foram beneficiados com bolsas parciais do Prouni, também têm direito, financiando o restante das mensalidades.

Como funciona o FIES?

Para solicitar esse tipo de empréstimo estudantil, o aluno deve realizar uma inscrição, que abre a cada semestre letivo. Neste ano as inscrições estão previstas de 21 a 24 de julho e pode ser feita pelo site do FIES.

Esse financiamento estudantil possibilita juros zero a quem mais precisa e garante ao estudante começar a pagar as parcelas só depois que ele estiver formado. A escala do financiamento é feita conforme a renda familiar de cada candidato.

Para alguns casos, o financiamento estudantil do FIES conta com taxa de juros de até 6,5 ao ano segundo o site da instituição.

Empréstimo estudantil: Pra Valer

Já o projeto PraValer, que é muito semelhante ao Fies, também deixa que o aluno pague o valor da mensalidade depois, somente se diferenciando na quantidade de tempo que cada programa estipula.

O PraValer é semestral e cobra do estudante após 6 meses na instituição superior, com o juros um pouco mais baixo, porém com o período curtíssimo para quitação. Ou seja, é uma solução momentânea, pouco indicado para quem quer bolsa à longo prazo. 

Empréstimo estudantil: Educa Mais Brasil

Por último, mas não menos importante nessa lista, existe o programa Educa Mais Brasil. Este é o mais concorrido entre todos, pois realmente oferece bolsas de estudo, que não precisam ser pagas após conclusão do curso – e, além disso, existe também para ensino básico.

Apesar de dar esse alívio pelo desconto, o número de bolsas é baixo relacionamento aos interessados no projeto. Por isso, caso você queira concorrer, esteja ciente que as chances são baixas, podendo pegar descontos baixos e quase insignificantes. 

Empréstimo Estudantil Privado

Algumas universidades e instituições financeiras oferecem o empréstimo estudantil privado, que é uma alternativa que atende os estudantes que não conseguiram ingressar no FIES.

Existe no mercado diferentes taxas de juros para esse tipo de empréstimo estudantil, e em algumas universidades é ofertado com juros zero.

Tudo vai depender da renda financeira do estudante. Existe no mercado o PraValer, que é o maior financiamento estudantil privado do Brasil e nele pode encontrar possibilidade a juros zero.

Vale pesquisar qual a melhor forma de empréstimo estudantil privado que se encaixa no seu bolso.

Como funciona o empréstimo estudantil privado?

É necessário procurar a faculdade que deseja fazer e perguntar se oferecem esse tipo de empréstimo estudantil. Lembrando que é muito importante entender as condições de pagamento.

Caso a faculdade não ofereça, busque por outras instituições financeiras que contam com essa possibilidade de empréstimo estudantil.

Confira sempre a taxa de juros cobrada e compare com outras possibilidades oferecidas no mercado financeiro.

Empréstimo pessoal

Para os estudantes que não conseguiram nenhum dos outros financiamentos, um dos recursos é solicitar um empréstimo pessoal para ingressar no curso que deseja.

Essa é uma das opções que conta com uma taxa de juros mais baixa do que o rotativo do cartão de crédito e cheque especial.

Verifique na sua conta bancária ou converse com seu gerente para saber se existe algum tipo de juros mais baixos para empréstimo estudantil disponível.

Outra possibilidade ao solicitar um empréstimo é que conseguindo o valor total do curso, pode conseguir um desconto com a universidade ao pagar à vista.

Empréstimo com garantia

A quantidade de pessoas que buscam o empréstimo com garantia de imóvel cresce a cada ano. Essa modalidade de crédito vem ganhando novos adeptos pela possibilidade de juros baixos e o tempo para pagamento das parcelas.

Para solicitar o empréstimo basta ter um imóvel e colocar ele como garantia de pagamento da dívida. Assim, conseguirá receber o valor de que deseja para fazer seu curso.

Além disso, poderá pagar as parcelas com baixa taxa de juros que pode ser de 0,99%+IPCA.

Como funciona empréstimo estudantil com grantia?

Faça uma simulação do valor do seu curso ou intercambio e saiba quanto pagará por ele.

Algumas instituições financeiras oferecem até seis meses de carência para o pagamento da primeira parcela e até 144 meses para pagar o valor solicitado.

Também é possível fazer a solicitação de forma online e ser aprovado em até dois dias.

Tenha um planejamento financeiro

Antes de solicitar qualquer tipo de empréstimo é necessário ter um bom planejamento financeiro, confira aplicativos de controle financeiro.

Uma dica é ver o valor total do curso a ser realizado e, a partir disso, analisar qual das modalidades de empréstimo estudantil irá solicitar.

Antes de tudo, é importante fazer uma organização financeira conforme o prazo do curso a ser realizado, para não se enrolar e arrumar uma dívida.

Qual será o melhor empréstimo estudantil melhor para você?

Após ver todas essas possibilidades a última coisa que você deve fazer é ficar sem estudar.

Quanto mais estudar, vai adquirir mais conhecimento, sendo possível conseguir salários cada vez mais altos no mercado de trabalho.

Antes de escolher a universidade e fazer o empréstimo estudantil, pesquise sobre o curso e saiba se ele é mesmo o que deseja fazer.

Fazendo esse passo a passo e escolhendo o melhor empréstimo estudantil, aliado a profissão que quer para a sua vida, o resultado será o sucesso.

endImage

A CashMe não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas através de parceiros autorizados pelo BACEN, nos termos da Resolução nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. As operações são realizadas através das seguintes instituições: Companhia Hipotecária Brasileira – CHB (CNPJ 10.694.628/0001-98), Companhia Hipotecária Piratini – CHP (CNPJ 18.282.093/0001-50).

Informações complementares referentes ao Empréstimo com Garantia de Imóvel: mínimo de 36 meses e máximo de 144 meses. “””Exemplo – Empréstimo de R$ 200.000,00 para pagar em 12 anos (144 meses) com LTV de 42,79% (sendo R$ 200.000,00 + despesas acessórias, para um apartamento avaliado em R$ 500.000,00) – Prestação inicial de R$ 2.894,10, com uma taxa de juros de 0,99% ao mês + IPCA, Sistema de Amortização Tabela Price. CET de 13,38% ao ano.”””


CASHME SOLUÇÕES FINANCEIRAS LTDA., com sede social na capital do estado de SP, na Rua do Rócio, nº 109, 3º andar, Sala 01 - Parte, Vila Olímpia, CEP 04.552-000, inscrita no CNPJ sob o no 34.175.529/0001-68

A CashMe, por sua vez, possui sede na Rua Olimpíadas, 242, 4º andar, CEP 04551-000, na cidade de São Paulo/SP.