Quem costuma fazer investimentos, normalmente já ouviu falar na sigla FIDC, que significa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. Você conhece sobre fundo de investimentos?

Caso ainda não conheça, vamos dar todos os detalhes de como ele funciona. Além disso você vai saber se vale a pena investir nele e todas as suas características.

O que é FIDC?

O FIDC é considerado um tipo de investimento de renda fixa e funciona unindo investidores que aplicam pelo menos 50% do patrimônio em direitos creditórios.

Esses investimentos costumam ser feitos a longo prazo onde são aplicados recursos em recebíveis, como por exemplo, desconto de duplicatas, aluguéis, exportação, entre outros.

Para ficar mais claro, o FIDC é aplicado em títulos de crédito composto por contas a serem recebidas de uma empresa.

Esse fundo costuma chamar muito a atenção de investidores, seja ele iniciante ou mais experiente.

Muitos conhecem o FIDC como Fundo de Recebidos e o valor investido é baseado em uma taxa que já foi previamente acordada. Sendo assim, o investidor tem o conhecimento da quantia total que receberá ao final da aplicação.

Além disso, vale ressaltar que esse tipo de fundo costuma trazer uma boa rentabilidade para quem aplica nele.

O FIDC é criado por meio de um administrador ou instituição financeira, que constitui o fundo e faz a captação dos investimentos juntos aos investidores.

Para esse fundo ser constituído existem duas formas, sendo elas elencadas abaixo:

Fundo aberto: nesse caso, quem investe pode resgatar o valor investido a hora que quiser, seguindo as regras estabelecidas no fundo que investiu.

Fundo fechado: só é possível fazer o resgate no prazo estipulado em contrato, feito no momento em que realizou o investimento.

Conheça as vantagens de aplicar no FIDC:

  • Possui uma boa rentabilidade financeira;
  • Há classificação de risco;
  • Caso tenha interesse, há a possibilidade de negociar no mercado secundário;
  • É uma boa opção na carteira de investimentos diversificados;
  • O risco do fundo é apresentado para o cotista ao investir.

Desvantagens do FIDC:

Apenas alguns tipos de profissionais e investidores qualificados podem investir;

  • O valor de investimento mínimo inicial é alto, sendo de R$ 25 mil;
  • É um tipo de investimento que possuí baixa liquidez;
  • Não é um investimento assegurado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC);
  • Tributação no imposto de renda;
  • Aumento no risco, pois trabalha na linha de crédito, estando sujeito à inadimplência;
  • Taxas de administração costumam ser altas.

Agora que você já conhece os prós e contras do Fundo de Investimento em Direitos Creditórios ficou mais fácil saber se vale a pena investir.

Quem pode investir no FIDC?

Como foi apontado anteriormente, o FIDC é limitado para profissionais e investidores qualificados. Chegou a hora de conhecê-los:

  • Pessoa física ou jurídica, cujo os investimentos ultrapassem o valor de R$ 1 milhão, comprovados.
  • Aqueles investidores que são classificados como profissionais;
  • Investidores qualificados que estão em clubes de investimentos;
  • Investidores que tenham certificação da Comissão de Valores Mobiliários;

Entenda a estrutura de um FIDC:

O FIDC conta com estrutura simples, composto pelos seguintes integrantes:

  • Cedente: empresa que é a titular dos Direitos Creditórios;
  • Estruturadores: instituições responsáveis pelo processo do FIDC;
  • Custodiantes: instituições financeiras responsáveis pela custódia do fundo que gerencia os valores a receber;
  • Administradores: responsável direto pelo FIDC;
  • Cotista: quem investe no fundo.

Conheça os riscos de investir no FIDC:

Ao fazer um investimento, antes disso precisa conhecer todos os riscos. No Fundo de Investimento em Direito Creditório não é diferente. Então, vamos ajudá-lo a entender onde está colocando seu capital:

  • Risco de crédito: Esse é um dos principais riscos. Principalmente por se tratar de um título de direito creditório, podendo haver atraso no pagamento ou até mesmo o calote por parte dos consumidores. Isso consequentemente acarreta na diminuição de ganhos;
  • Risco de liquidez: nesse caso, poderá não haver demanda suficiente por cotas. Uma vez que o FIDC é um tipo de investimento restrito e também não muito comum no mercado financeiro.
  • Risco de mercado: existem diversos fatores que podem influenciar no mercado de forma direta ou indireta. Sendo assim, o risco de mercado se trata das mudanças constantes nos preços e também na rentabilidade de ativos, por exemplo. Um bom exemplo de risco de mercado é a inflação.

Agora ficou mais claro os riscos e você pode entender melhor se esse é o tipo de investimento ideal.

Quais são as cotas do FIDC?

Existem dois tipos de cotas e ambas impactam diretamente na rentabilidade e também no risco do fundo. Conheça as cotas abaixo:

  • Cota Sênior: normalmente disponível numa proporção maior, possuem preferência no resgate do investimento feito, amortização e juros. Consequentemente a isso, possuem menor risco. Nesse caso, possuem taxas já prefixadas e se enquadram como título de Renda Fixa.
  • Cota Subordinada: essas cotas estão subordinadas ao resgate ou amortização da cota sênior. Como consequência disso, o dono dessa cota receberá os rendimentos apenas depois que os cotistas sênior receber a deles. O que ocorre neste caso é o aumento do risco de inadimplência.

Qual a vantagem da cota subordinada neste caso?

Se o fundo tiver rentabilidade maior que a prevista, quem for cotista subordinado poderá ter acesso a uma rentabilidade maior do que os cotistas sênior.

Nesse caso, quem for cotista sênior receberá apenas o que está acordado na taxa prefixada, sem adicional da rentabilidade superior.

Rentabilidade do FIDC, vale a pena?

Especialistas acreditam que o FIDC é um dos melhores entre os fundos de investimento de renda fixa. Em alguns casos é possível que a rentabilidade seja de até 120% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Além disso, a rentabilidade desse tipo de fundo também costuma superar a do Tesouro Direto, CDB ou LCI E LCA.

Ao optar por esse tipo de investimento, verifique qual tipo de taxa será aplicada em contrato, se a CDI, Taxa Selic, IGP-M ou IPCA. Analise se essas taxas estão em alta ou em baixa antes de fechar negócio. Avalie as melhores condições para conseguir ter a maior rentabilidade.

Acreditamos que após essa leitura, você conseguirá analisar e escolher se essa é a melhor oportunidade de investimento. Mesmo sendo um tipo de investimento complexo, ele pode te garantir um aumento em seus ganhos. Ainda mais agora conhecendo todos os detalhes para investir com segurança no FIDC.

A CashMe não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas através de parceiros autorizados pelo BACEN, nos termos da Resolução nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. As operações são realizadas através das seguintes instituições: Companhia Hipotecária Brasileira – CHB (CNPJ 10.694.628/0001-98), Companhia Hipotecária Piratini – CHP (CNPJ 18.282.093/0001-50).

Informações complementares referentes ao Empréstimo com Garantia de Imóvel: mínimo de 36 meses e máximo de 144 meses. “””Exemplo – Empréstimo de R$ 200.000,00 para pagar em 12 anos (144 meses) com LTV de 42,79% (sendo R$ 200.000,00 + despesas acessórias, para um apartamento avaliado em R$ 500.000,00) – Prestação inicial de R$ 2.894,10, com uma taxa de juros de 0,99% ao mês + IPCA, Sistema de Amortização Tabela Price. CET de 13,38% ao ano.”””


CASHME SOLUÇÕES FINANCEIRAS LTDA., com sede social na capital do estado de SP, na Rua do Rócio, nº 109, 3º andar, Sala 01 - Parte, Vila Olímpia, CEP 04.552-000, inscrita no CNPJ sob o no 34.175.529/0001-68

A CashMe, por sua vez, possui sede na Rua Olimpíadas, 242, 4º andar, CEP 04551-000, na cidade de São Paulo/SP.