Como se livrar das dívidas de cartão de crédito?

Como se livrar das dívidas de cartão de crédito?
ícone de calendario

Atualizado:
16/07/2021

ícone de calendario

Publicado:
04/08/2020

ícone de relógio

Leitura de
6 min

ícone de conversa

Comentarios
0

CashMe

CashMe


Dívidas de cartão de crédito é o resultado da falta de planejamento e imprevistos financeiros. Negociar com o banco, não fazer novas compras parceladas e fugir do pagamento mínimo da fatura são ações que podem ajudá-lo a reassumir o controle e sair da dívida.  

O cartão de crédito, muitas vezes, deixa de ser um meio de pagamento e passa a ser um pesadelo no orçamento de muitas famílias. A Agência Brasil divulgou que 66,6% das famílias brasileiras estavam endividadas em abril de 2020. Destas dívidas, 77,6% correspondiam a dívidas de cartão de crédito.

A sensação de comprar e pagar “mais pra frente” faz com que muitos consumidores se assustem com a fatura no final do mês. Além disso, a crise financeira causada pelo coronavírus pegou muitas pessoas desprevenidas.

Agora, elas enfrentam dificuldades de pagar as compras parceladas nos cartões de crédito. O resultado são juros acumulados e uma dívida enorme. 

Como acabar com dívidas de cartão de crédito

Quitar a dívida de cartão de crédito é um dos primeiros passos na jornada de quem está interessado em cuidar do dinheiro e melhorar sua saúde financeira.

Afinal, os juros do rotativo do cartão, ao lado do cheque especial, são um dos mais altos do mercado. Para evitar que a bola de neve aumente, é importante priorizar o pagamento dessa conta.

Veja a seguir o que fazer para se livrar da dívida de cartão de crédito. 

Descubra o tamanho da sua dívida de cartão de crédito

Antes de mais nada, organize e some todas as suas faturas atrasadas, atualizando o valor dos juros. Muitas pessoas evitam fazer esse cálculo com medo do resultado final.

Entretanto, saber qual é o tamanho da sua dívida de cartão de crédito é o passo inicial, pois, a partir dele, você vai poder se planejar e pensar na melhor forma de quitar essa conta.

Também é interessante somar as parcelas que ainda estão para vencer. Assim, você consegue ver quanto de despesa ainda terá com o cartão nos próximos meses e se planejar para pagar as faturas seguintes, evitando ter que arcar com novos juros.

Negocie a dívida de cartão de crédito com o banco

Depois de juntar os valores das faturas atrasadas, é importante que você procure o banco demonstrando interesse em colocar a conta em dia. A instituição irá fazer seus próprios cálculos ajustados aos juros e uma proposta para pagamento da dívida.

Mas, atenção: lembre-se de que é possível negociar a dívida de cartão de crédito. Faça contrapropostas, pois é importante que o valor negociado seja plausível e caiba no seu bolso.

Caso contrário, você estará apenas contraindo uma nova dívida que não poderá pagar.

Procure um feirão online de renegociação de dívida

Se você não ficou satisfeito com as propostas do banco, não aceite as condições e aguarde uma outra oportunidade. Empresas de recuperação de crédito costumam organizar eventos para renegociação de dívidas não resolvidas.

Os feirões online promovidos pela Serasa e SPC são alguns exemplos. Neles, você pode renegociar a dívida sem sair de casa e, muitas vezes, com descontos que chegam a 90%. 

Se você ficou satisfeito com a renegociação, um empréstimo com garantia – modalidade com taxa de juros baixa e longos prazos de pagamento – pode ajudá-lo a quitar a dívida. É importante colocar tudo na ponta do lápis e analisar se o novo crédito é, de fato, vantajoso.  

Pague sempre o valor total da fatura do cartão de crédito

Não caia na armadilha de pagar o mínimo do cartão de crédito. É fundamental quitar o valor total da fatura para fugir da taxa de juros do rotativo do cartão. Essa é uma maneira saudável de utilizar as vantagens do crédito e, ainda, evitar novas dívidas.

Se você está considerando pagar o valor mínimo, talvez este seja um sinal de que os gastos no cartão estão acima do que o seu orçamento pode aguentar.  

Reveja o limite do seu cartão

Para evitar novas dívidas, uma boa dica é rever o limite do cartão de crédito. Se você está sempre pagando o valor mínimo ou se surpreende com a fatura no final do mês, um limite menor vai forçá-lo a reduzir os gastos. 

Fuja de novas parcelas

Estar com uma dívida de cartão de crédito é sinônimo de descontrole ou dificuldades financeiras. Diminuir gastos é um hábito imperativo para quem está precisando se reeducar financeiramente ou está temporariamente sem emprego.

E isso, claro, significa comprar menos no cartão, parcelado ou não. Até que você assuma o controle e a saúde da sua vida financeira, fuja de novas parcelas.

Corte os gastos menores

Gastos menores ou supérfluos são um dos principais vilões na vida dos consumidores que têm uma relação ruim com o cartão de crédito. Valores pequenos vão se acumulando ao longo do mês e, na hora de abrir a fatura, você não sabe como gastou tudo aquilo de dinheiro.

Para sair das dívidas de cartão de crédito e manter-se longe delas, é importante saber exatamente para onde está indo seu dinheiro. Reveja esses pequenos gastos e corte todos se possível. 

Controle seus gastos e faça planos

Organização e disciplina serão fundamentais para que você não faça uma nova dívida de cartão de crédito. Controlar os gastos evita surpresas com faturas, além de ajudar a fazer um planejamento do que precisará ser pago no próximo mês. Aplicativos como o Guiabolso e o Organizze ajudam a elaborar um orçamento familiar e acompanhar gastos de forma simples e automatizada. 

Para seguir firme no planejamento, estabeleça um objetivo pessoal e faça planos com o dinheiro que sobraria – e que, em breve, sobrará – caso você não precisasse pagar a dívida de cartão de crédito.

Não use cartão de crédito para pagar contas

Existem cartões de crédito que podem ser usados para pagar contas e boletos pessoais. Essa opção é vista como vantagem por algumas pessoas pelo acúmulo de milhas e pelo maior prazo de pagamento. Entretanto, especialistas recomendam não usar o cartão de crédito para pagar contas devido às tarifas cobradas e o perigo de criar uma bola de neve. 

Dívida de cartão de crédito: o que pode acontecer se não pagar?

Quando a fatura do cartão não é paga ou é feito o pagamento do valor mínimo, o consumidor entra no rotativo do cartão de crédito.

Apesar do nome não dar a entender, esse é um tipo de empréstimo que o banco ou instituição do cartão faz ao consumidor. O valor corresponde ao que não foi pago da fatura. Sobre ele, são acrescidos os juros do rotativo do cartão.

O rotativo do cartão é um dos empréstimos com o juros mais altos no Brasil. Em junho, a média da taxa de juros para clientes que pagam pelo menos 15% do valor da fatura ficou em 242% ao ano segundo Banco Central.  

Se após 30 dias a dívida não tiver sido paga, o banco ou instituição responsável pelo cartão pode incluir seu CPF no cadastro de inadimplentes dos órgãos de proteção ao crédito, como Serasa e SPC. 

Tem como parcelar dívida de cartão de crédito?

Sim. Muitos cartões oferecem a opção de parcelamento na própria fatura, sem que seja necessário solicitar simulações à instituição. Entretanto, parcelar dívida de cartão de crédito não é uma boa opção!

Apesar de menores do que o rotativo do cartão, os juros costumam ser muito altos e o consumidor pode, novamente, se endividar.

Se você não consegue quitar a fatura, evite o parcelamento ou o pagamento mínimo e priorize uma negociação com o banco. 

Dicas para negociar a dívida de cartão de crédito 

A negociação será fundamental para o consumidor que está preocupado em como se livrar da dívida de cartão de crédito. Ela é uma saída para honrar o compromisso, mantendo um espaço para que o consumidor busque melhores condições de taxas de juros. Veja a seguir algumas dicas importantes antes de negociar a dívida de cartão de crédito. 

  • Entre em contato com o banco: procure o banco e exponha sua situação financeira. Em entrevista ao E-Investidor do jornal O Estado de São Paulo, Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira (ABEFIN), recomenda que o consumidor já apresente uma proposta.  Ele sugere uma prorrogação da dívida em até 180 dias e pagamento em parcelas fixas sem juros ou com taxas fixadas à Selic, por exemplo. 
  • Esteja pronto para negociar: se a instituição não aceitar a proposta inicial, continue negociando. Lembre que tanto você como o banco têm interesse em resolver a situação. Não desista e nem aceite qualquer proposta. 
  • Tire dúvidas: antes de aceitar a proposta, tire todas as suas dúvidas. Procure saber qual o Custo Efetivo Total (CET), valores de IOF, se as parcelas são fixas etc.
  • Só aceite uma proposta que caiba no seu orçamento: se a proposta do banco ainda não cabe no seu orçamento, espere uma nova oportunidade ou procure uma empresa de recuperação de crédito. 

Se organize, planeje, negocie e quite sua dívida de cartão de crédito. Ter o nome limpo e uma boa saúde financeira traz tranquilidade e segurança para você.

Se a sua dívida já virou uma bola de neve, talvez um empréstimo com garantia de imóvel possa ajudar a colocá-la em dia! Faça uma simulação e confira condições de taxas de juros baixas e bons prazos de pagamento.


CashMe

Escrito por CashMe

Equipe de redação de CashMe. Todos os conteúdos são revisados por especialistas do ramo e atualizados periodicamente.


Separamos mais essas notícias para você:

Faça seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *