ícone de calendario

Atualizado:
18/08/2020

ícone de calendario

Publicado:
24/04/2020

ícone de relógio

Leitura de
6 min

ícone de conversa

Comentarios
0

Redação CashMe

Redação CashMe
Editor


O refinanciamento de veículo é uma boa pedida para quem realizou o sonho de comprar um carro, mas acabou se perdendo no meio do pagamento das parcelas. O refinanciamento coloca o próprio automóvel como garantia do empréstimo online tomado.

Assim, se o cliente não arcar com os custos do empréstimo, ele é tomado pela instituição financeira como forma de pagamento. O refinanciamento de veículo é uma boa opção para quem quer mais fôlego para os pagamentos, mas tem regras e aplicações específicas.

O que é o refinanciamento?

Diferente do financiamento, é a modalidade de empréstimo em que ocorre a situação do cliente já ter contratado uma linha de crédito. O crediário, no entanto, precisa trocá-la por conta das altas taxas de juros. Esse empréstimo pode ser tanto um financiamento como um empréstimo comum.

Geralmente, é usado para trocar uma dívida cara por outra mais em conta, pois ocorre uma substituição dos juros na operação. Também pode ser vantajosa caso o crediário tenha feito um empréstimo com taxas pré-fixadas.

Devido às variações da Taxa Selic aplicada no empréstimo, é possível que, ao refinanciar uma dívida, os juros acabam ficando menores do que o acordado nessa nova contratação. Um exemplo é o caso de um empréstimo feito em 2013 e financiado agora, que a Taxa Selic mudou.

Como é calculado o valor do veículo?

O refinanciamento de veículo é quase como um empréstimo com garantia. No caso, a garantia é o próprio automóvel. O dinheiro, inclusive, pode ser utilizado para quitar o carro ou moto.

O valor varia de acordo com o preço do carro. Para isso, a instituição financeira usa a tabela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) como base.

A tabela FIPE indica o valor médio de veículos do mercado nacional. Ela mostra a precificação média de um veículo automotor para facilitar negociações e avaliações.

O levantamento é um parâmetro de mercado e apresenta valores médios de automóveis de acordo com a marca, o ano e o modelo de um veículo.

A tabela não leva em consideração informações como quilometragem, estado do automóvel, cor e opcionais vindos de fábrica. Também não entram na conta acessórios instalados, região e quaisquer outros fatores que possam influenciar o valor de um automóvel para mais ou para menos.

Como funciona o refinanciamento de veículo?

Depois de definir o valor do automóvel, a instituição financeira decide quanto daquele valor libera de empréstimo. A Caixa Econômica Federal, por exemplo, libera 70% do valor. Outros fatores podem diminuir o montante, como há quanto tempo o veículo foi fabricado.

A solicitação do refinanciamento é feita com documentos básicos, como RG, CPF, comprovantes de residência e renda. Mesmo que o cliente esteja com o nome em serviços de proteção ao crédito, o empréstimo ainda pode ser feito – isso varia da avaliação da instituição financeira.

O refinanciamento ainda depende das condições do veículo. Além do tempo de fabricação, as boas condições dele são fundamentais para que o crédito seja aprovado. Caso o automóvel não esteja em um estado que a instituição financeira julgue aceitável, o empréstimo pode ser negado.

É importante ressaltar que o veículo não precisa estar quitado para que o refinanciamento seja feito. Caso o automóvel ainda não esteja pago, ele ainda pode ser usado como garantia para o empréstimo, mas o negócio terá algumas regras diferentes.

Uma das regras específicas é que o crediário deverá usar parte do valor obtido na transação para quitar a dívida original.

Etapas do refinanciamento

O refinanciamento de veículo é um contrato bem simples e normalmente não envolve muita burocracia. Apesar disso, a instituição financeira precisa se certificar de que o automóvel em questão está nas condições ideias para ser usado como garantia do empréstimo.

Veja abaixo as etapas do refinanciamento:

  • Análise de crédito
    A instituição financeira vai realizar uma análise para verificar a renda fixa mensal do cliente. O crédito solicitado dependerá também dessa comprovação financeira. Para isso, a instituição também vai pedir documentos comprobatórios de renda.
  • Análise jurídica
    Antes de aceitar o bem como garantia, será feita uma checagem jurídica para saber qual é a situação legal dele. Caso haja alguma pendência judicial, o processo não seguirá em frente. Por isso, é muito importante que o automóvel esteja legalmente autorizado a ser usado como garantia para o empréstimo.
  • Análise do veículo
    Após verificar a comprovação de renda do cliente e se está tudo certo com o bem, a instituição vai avaliar quanto o veículo em si. Além do valor de acordo com a tabela FIPE, serão levados em conta outros fatos. Entre eles, estão o estado de conservação do veículo, adicionais e o tempo de uso.
  • Emissão e assinatura do contrato
    Por fim, a instituição vai liberar um contrato que será avaliado pelo cliente, com a proposta e a descrição do acordo que deverá ser feito. Se as duas partes concordarem, o contrato será assinado, e posteriormente, registrado em cartório para que haja a liberação do crédito.  

Comprovantes para o refinanciamento

Para que a linha de crédito seja aprovada, o crediário precisa apresentar alguns comprovantes.

Por parte do proprietário, estes documentos se tratam dos básicos como RG, CPF, certidão de casamento ou certidão de nascimento, comprovante de renda e endereço. Além, é claro, de documento que certifique que o veículo pertence a ele.

O comprovante de renda é especialmente importante, uma vez que o valor da parcela nunca poderá exceder 1/3 da renda mensal deste. Está é uma medida que procura oferecer uma parcela justa por um preço que não vá fazer o cliente se endividar ainda mais. Como já explicado, o refinanciamento é uma modalidade de crédito exatamente para quem busca se livrar de juros e taxas enormes.

Em relação ao veículo, é necessário que este esteja devidamente registrado. Através do registro, a instituição financeira vai checar a regularidade do automóvel e se ele realmente pode ser dado como uma garantia de empréstimo.

Não se preocupe se o seu nome estiver com problemas em órgãos de cobrança. Ainda é possível realizar um empréstimo com veículo de garantia mesmo com a baixa pontuação nestes.

Diferenças para o refinanciamento de imóvel

Outro tipo de refinanciamento muito utilizado é o de empréstimo com garantia de imóvel. É parecido com o de veículo, mas guarda algumas diferenças.

Também conhecido como Home Equity, o refinanciamento de imóvel é a opção mais barata de crédito existente no mercado. O limite liberado pelo financiamento pode chegar a até 50% do valor da garantia. Vamos supor que você tenha um imóvel que no valor de mercado em R$300 mil reais. Se pretender usá-lo como garantia para o empréstimo, é bem possível que consiga a liberação de até R$150 mil reais. 

Outra vantagem que esta modalidade oferece é a facilitação para o pagamento, que pode acontecer em parcelas que variam de 2 a 20 anos. As taxas de juros são cobradas a partir de 1,05% mensal em cima do valor da parcela, corrigindo de acordo com a inflação. 

Em outras palavras, o seu imóvel, assim como o carro no refinanciamento de veículo, ficará como um “seguro” para o banco. Caso não haja o pagamento do empréstimo, a instituição tem liberdade para tomar a garantia e leiloá-la para quitar a dívida.

Vale a pena fazer um refinanciamento?

Tanto o refinanciamento de veículo quanto o de imóvel têm grandes vantagens. A maior dela é a baixa taxa de juros, uma vez que há uma garantia em caso de inadimplência.

O refinanciamento é uma excelente opção para quem busca uma saída das dívidas. O empréstimo com garantia é a modalidade de crédito que tem as menores taxas de juros do mercado. Isso facilita o acesso a parcelas que cabem em seu orçamento mensal.

Para se livrar das dívidas caras, com altas taxas de juros, você pode trocar por parcelas menores por meio do refinanciamento. 

Ao optar por esta modalidade de empréstimo, é possível concentrar a soma do que está devendo e quitá-la de uma vez. Dessa forma, passará a pagar apenas as parcelas do refinanciamento de imóvel ou veículo, que são menores. E ainda vai sobrar um dinheiro para investir em um novo projeto ou realizar um sonho.

Quem pode fazer refinanciamento?

O refinanciamento costuma ser uma modalidade democrática e com pouca burocracia burocracia. Qualquer pessoa pode solicitar este tipo de crédito, basta ter o bem em seu nome, seja veículo ou imóvel. Entretanto, se você optar por fazer a aplicação em um banco, a parcela ficará restrita ao limite de 30% da renda líquida. 

Mesmo se você tiver em situação de inadimplência ou com o nome negativo, ainda é possível que consiga uma linha de crédito pelo refinanciamento. E inclusive, se a sua intenção é usar o dinheiro para pagar todas as suas contas em aberto, a vantagem é que vai conseguir limpar seu nome rapidamente. Com isso, você terá apenas a parcela do empréstimo para se preocupar. O melhor é que o pagamento é facilitado e tem as menores taxas de juros do mercado. 

O refinanciamento é, sem dúvidas, a melhor solução para se livrar dos juros abusivos de contas atrasadas, investir no negócio próprio ou até realizar um sonho de viajar para o exterior.


Redação CashMe

Escrito por Redação CashMe

Equipe de redação de CashMe. Todos os conteúdos são revisados por especialistas do ramo e atualizados periodicamente.


Separamos para você essas noticiais:

A CashMe não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas através de parceiros autorizados pelo BACEN, nos termos da Resolução nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. As operações são realizadas através das seguintes instituições: Companhia Hipotecária Brasileira – CHB (CNPJ 10.694.628/0001-98), Companhia Hipotecária Piratini – CHP (CNPJ 18.282.093/0001-50).

Informações complementares referentes ao Empréstimo com Garantia de Imóvel: mínimo de 36 meses e máximo de 144 meses. “””Exemplo – Empréstimo de R$ 200.000,00 para pagar em 12 anos (144 meses) com LTV de 42,79% (sendo R$ 200.000,00 + despesas acessórias, para um apartamento avaliado em R$ 500.000,00) – Prestação inicial de R$ 2.894,10, com uma taxa de juros de 0,99% ao mês + IPCA, Sistema de Amortização Tabela Price. CET de 13,38% ao ano.”””


CASHME SOLUÇÕES FINANCEIRAS LTDA., com sede social na capital do estado de SP, na Rua do Rócio, nº 109, 3º andar, Sala 01 - Parte, Vila Olímpia, CEP 04.552-000, inscrita no CNPJ sob o no 34.175.529/0001-68

A CashMe, por sua vez, possui sede na Rua Olimpíadas, 242, 4º andar, CEP 04551-000, na cidade de São Paulo/SP.

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

CONCORDAR E FECHAR