Neste caos em que estamos vivendo neste exato momento, não é estranho para um empresário se deparar com diversos aspectos causados pela crise econômica ao qual o mundo está passando.

Afinal, com a ascensão do CoronaVírus, estamos nos vendo na necessidade de nos readaptarmos de maneiras. As quais nunca imaginamos precisar, o que afeta grande parte do mercado, ainda mais as micro e pequenas empresas

Por conta disso, no artigo de hoje, apresentaremos para você, nosso caro leitor, como a crise econômica afeta um pequeno negócio. Mostrando a você alguns pontos que podem balançar e ameaçar a sobrevivência desta dentro de sua área de atuação.

Aproveite e boa leitura!

A crise econômica mexe com a minha empresa?

Não apenas com a sua, mas com todo o setor de atuação ao qual você se enquadra. Ou seja, tanto sua entidade quanto a concorrência irão sofrer por conta dos problemas causados na economia.

Um fato claro a todos é que uma empresa apenas poderá sobreviver se conseguir gerar capital suficiente para arcar com todos os seus custos e despesas. Sequer o lucro entra nesta conta. Visto que, para uma instituição nova, a média para que a mesma venha a se tornar verdadeiramente rentável é um pouco mais de dois anos.

Antes disso, grande parte das novas organizações que surgem todos os dias apenas declaram falência, por conta de todas as suas dívidas. Além dos juros e impostos por suas atividades.

O que piora ainda mais com um cenário caótico no ponto financeiro do país, visto que, a matéria prima para produzir aquilo que se vende muda de preço, além de outros problemas com colaboradores, imprevistos e muitas outras adversidades que podem surgir neste caminho.

Fora que, em especial, está do CoronaVírus, muitos se vêem em um cenário onde, caso fechem suas portas, suas corporações sofrerão tanto que seria melhor declarar falência.

Por isso ainda muito se discute sobre deixar, ou não, o colaborador em casa, mesmo com a tamanha preocupação devido ao COVID-19. Enquanto, pelo lado da saúde, este demanda urgência, na parte econômica, todo e cada empresário brasileiro que tomar as medidas necessárias sofrerá grandes perdas.

Claro que, em meio ao problema que enfrentamos, vidas valem mais do que o dinheiro. Entretanto, é muito doloroso assistir tudo aquilo que demorou anos para ser construído ruir.

Lidando com a crise econômica

Para lidar com este cenário horrível a todo custo, algumas medidas podem ser tomadas a fim de minimizar os impactos que podemos vir a sofrer devido a tal evento no mercado.

Estas maneiras permitem que você consiga continuar lucrando o mínimo para fazer a sua entidade passar por este período sem tomar tantos prejuízos, sobrevivendo ao cenário atual e garantindo um futuro mais estável.

Alguns dos principais meios adotados são:

Maneiras de lidar com a crise econômica: home office

Para aqueles que possuem de entidades que não demandam, obrigatoriamente, atividades no próprio local e que estas podem ser feitas pelos colaboradores de suas casas, o home office é a melhor ação a se tomar.

Claro que isso exige um grande comprometimento com o trabalho por parte de sua equipe. Ainda sim, múltiplos benefícios podem ser obtidos quando falamos desta maneira de trabalhar.

Além de, claro, poder manter a instituição em funcionamento, gastos como de água, luz, internet, entre outros serviços necessários, serão todos poupados, visto que o indivíduo realiza suas tarefas da própria casa.

O que, ainda que não pareça muito, para a contabilidade de um empreendedor, tem um impacto muito forte na sobrevivência da empresa, visto que suas contas se reduzirão em muito por conta deste.

Além disso, por se tratar de um meio de trabalho eficaz, ainda lhe dá a oportunidade de realizar uma experiência que, se bem aproveitada, pode vir a fazer parte do negócio de maneira integral.

Maneiras de lidar com a crise econômica: Delivery

Para aqueles que trabalham no setor alimentício, o delivery não é nenhuma novidade. Entretanto, este tem sido um dos principais meios de venda durante esta quarentena, visto que as pessoas estão saindo muito menos de suas casas.

E quando falamos deste, não nos referimos apenas a comida. O Serviço de entrega a domicilio vem se adaptando de tal maneira onde muitas lojas de variados tipos vem aderindo a esta modalidade.

Claro que, para o e-commerce, tudo parece igual, e aqueles que estão comprando pela internet ainda conseguem, por exemplo, comprar uma peça de computador de maneira natural.

Ainda sim, este estilo de atender ao cliente vem sendo um dos mais utilizados, e é um dos mais válidos para manter sua organização gerando lucros mesmo neste período.

Lidar com a crise econômica não é fácil

Por mais que no artigo apresentamos duas maneiras populares para se lidar com todo este período pelo qual estamos passando, a crise econômica afeta, e muito, o faturamento de uma empresa.

Estes meios ajudam a suprir um pouco da perda, mas será facilmente perceptível o impacto que o momento que enfrentamos vai afetar negativamente todas as áreas da economia.

E se você precisa de um valor para poder investir em sua empresa, aqui na CashMe oferecemos ótimas oportunidades para que possa ampliar ainda mais seus meios de atendimento. Conosco, você vai mais longe!

Veja também:

O que é hipoteca reversa? Entenda todos os detalhes agora!

Divida ativa IPVA: o que fazer para quitar esse débito

10 regras para sobrevivência empresarial

Gostou do texto? Faça uma simulação com a gente! Compartilhe e deixa a sua opinião, queremos saber.

endImage

A CashMe não realiza qualquer atividade privativa de instituições financeiras, como financiamentos e/ou empréstimos. Essas operações são realizadas através de parceiros autorizados pelo BACEN, nos termos da Resolução nº 3.954, de 24 de fevereiro de 2011. As operações são realizadas através das seguintes instituições: Companhia Hipotecária Brasileira – CHB (CNPJ 10.694.628/0001-98), Companhia Hipotecária Piratini – CHP (CNPJ 18.282.093/0001-50). Empresa do Grupo Cyrela

Informações complementares referentes ao Empréstimo com Garantia de Imóvel: mínimo de 36 meses e máximo de 120 meses. “””Exemplo – Empréstimo de R$ 200.000,00 para pagar em 15 anos (180 meses) com LTV de 43,3% (sendo R$ 200.000,00 + despesas acessórias, para um apartamento avaliado em R$ 500.000,00) – Prestação inicial de R$ 2.685,09, com uma taxa de juros de 0,99% ao mês + IPCA, Sistema de Amortização Tabela Price. CET de 13,04% ao ano.”””


O cashme.com.br (“Website”) é pertencente e operado pela Cyrela Brazil Realty Empreendimentos e Participações (“CashMe”), uma sociedade anônima registrada sob o CNPJ/MF 73.178.600/0001-18

A CashMe, por sua vez, possui sede na Rua Olimpíadas, 242, 4º andar, CEP 04551-000, na cidade de São Paulo/SP.