Parcelamento no cartão de crédito: como funciona e quais as principais regras

Parcelamento no cartão de crédito: como funciona e quais as principais regras
ícone de calendario

Atualizado:
08/02/2022

ícone de calendario

Publicado:
08/02/2022

ícone de relógio

Leitura de
12 min

ícone de conversa

Comentarios
0

Redação CashMe

Redação CashMe


Fazer compras no cartão de crédito traz muitas vantagens e não é nada difícil. Você só precisa se manter atento para não atrasar o pagamento da fatura e pagar juros. Isso porque esses pequenos custos a mais podem ocupar o limite do cartão, que é liberado todos os meses depois de você quitar a fatura.

Antes de explicar tudo sobre como funciona o parcelamento no cartão de crédito e mostrar as vantagens que ele pode trazer para a sua vida financeira, é importante trazer um dado de alerta. O cartão de crédito representa uma das principais fontes de dívida da família brasileira. 

É o que mostra a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e que analisou o período de 2021. Naquele ano, o nível de endividamento médio foi o maior em 11 anos, chegando a 70,9% das famílias brasileiras. 

Segundo a pesquisa, conforme destacado pela CNN Brasil, o uso do cartão chegará a 82,6% em 2021. Além de ter a maior média histórica, ele representa o principal tipo de endividamento. 

O descontrole nos parcelamentos e um limite maior do que seu orçamento financeiro pode arcar são os motivos que levam ao endividamento no cartão de crédito. Mas não se preocupe, se você tem dúvidas sobre o tema, não deixe de ler nossa seção sobre dívidas

Nossos conteúdos trazem dicas essenciais e te ajudam a ter uma vida financeira mais organizada. Ficou interessado em saber mais? Continue a leitura até o final e confira! 

Como funciona o parcelamento no cartão de crédito?

Outro ponto que pode ajudar é entender melhor como funciona o parcelamento no cartão de crédito para, assim, tomar decisões melhores e escolher, por exemplo, se é melhor pagar no crédito ou no débito. O parcelamento no cartão de crédito é uma forma de pagar a prazo uma compra usando o limite dado pela emissora do cartão. 

Por exemplo, imagine que você vai comprar um ar condicionado cujo valor total é de R$ 2 mil. A loja permite que o cliente parcele esse preço em 10 vezes sem juros. No momento de pagar o ar condicionado, o caixa pergunta a você “crédito ou débito?”. Ao escolher crédito, dentro das políticas da loja, ele poderá oferecer o pagamento em até 10 vezes sem juros. 

Você decide parcelas em 5 vezes no cartão de crédito do seu banco, que te deu um limite de R$ 5 mil. Na próxima fatura, virá a primeira parcela do ar condicionado no valor de R$ 400. E assim será pelos próximos cinco meses. 

O pagamento dos R$ 2 mil reais foi parcelado pela emissora do seu cartão de crédito, que fica responsável por repassar o dinheiro à loja. 

Como funciona o limite do cartão de crédito parcelado?

Apesar de você ir pagando o valor do ar condicionado nesses cinco meses, os R$ 2 mil reais do seu limite vão ficar “aprisionados”. Ou seja, a emissora do cartão não vai “descontar” apenas o valor da parcela do seu limite, mas sim o total da compra. Por isso, é importante ficar atento a compras de grande valor que podem ocupar muito do seu cartão.

No nosso exemplo, se você não tiver feito nenhuma outra compra naquela fatura e não tiver compra parcelada anteriormente, seu limite atual seria de R$ 3 mil (R$ 5 mil menos os R$ 2 mil da compra do ar condicionado). Assim, ao buscar saber como funciona o parcelamento no cartão de crédito, o limite é um fator a ser considerado nas compras a prazo. 

Muitas pessoas acabam ocupando todo o valor do crédito liberado pela emissora do cartão e pedem um aumento no limite sem antes analisar se seu orçamento pode arcar com o valor. Pense que, se o seu limite é de R$ 5 mil, você pode chegar a ter uma fatura nesse valor se for acumulando as parcelas de compras anteriores. 

O valor do limite é reposto conforme as próximas faturas forem sendo pagas. Por exemplo, ao pagar uma fatura de R$ 400, esse valor retorna para o seu limite. 

Compras parceladas ou serviços por assinatura?

Dessa forma, o valor total de uma compra é que será ocupado do limite do seu cartão de crédito e não apenas o valor da parcela daquele mês. É um funcionamento diferente dos serviços por assinatura pagos no cartão de crédito. 

O plano mensal da Netflix e do Spotify são exemplos. O valor é descontado mês a mês do limite do seu cartão, mas não ocupa o valor dos próximos meses. Vamos supor que você decida comprar o plano mensal da sua academia, cujo valor é de R$ 200 reais. Você cadastra seu cartão como meio de pagamento. 

E mensalmente esse valor será cobrado na fatura. Então, todo mês você precisa garantir que tenha pelo menos R$ 200 reais de limite disponível no seu cartão. Agora, vamos supor que sua academia tenha um plano anual, no valor total de R$ 1800. Dividido por 12, a parcela sairia R$ 150 reais. 

Você pode pagar parcelado, mas terá que “passar” os R$ 1800 no seu cartão logo no momento da matrícula. Neste caso, a compra não é por assinatura, mas uma compra a prazo. 

Ou seja, serão descontados R$ 1800 do limite do seu cartão de crédito ao fazer a matrícula, e não apenas o R$ 200 do plano mensal, e aparecerá uma parcela de R$ 180 na sua fatura pelos próximos 12 meses. 

Compra parcelada no cartão de crédito tem juros?

Em todos os exemplos citados acima a compra parcelada só terá juros no momento do pagamento se essa for uma política do estabelecimento ou se a emissora do cartão cobras juros para compras parceladas acima de determinado número de parcelas. 

Com certeza você já passou por alguma situação na qual o atendente te diz que compras a prazo tem juros ou que tem juros a partir de determinado número de parcelas. 

No caso da compra do ar condicionado, por exemplo, uma loja poderia dizer que a compra no cartão de crédito em uma parcela (pagando os R$ 2 mil integralmente na próxima fatura) não teria juros, mas que a partir de parcelamentos em 2 vezes haveria o acréscimo de uma taxa de juros. 

Ou ainda que o parcelamento em 10 vezes não teria juros nenhum ou que o valor sem juros estaria disponível apenas para compras efetuadas no débito. Dessa forma, é possível fazer compras parceladas sem pagar juros desde que o estabelecimento dê essa opção. Assim, nem sempre você pagará juros em compras à prazo no cartão de crédito.

Como funciona o parcelamento no cartão de crédito com juros?

Atenção! Estamos falando apenas de juros no momento do parcelamento. Você vai pagar juros se atrasar o pagamento da fatura do cartão de crédito, independentemente de ter feito compras parceladas ou não naquele mês. 

Dessa forma temos os seguintes cenários onde você pode pagar juros ao usar cartão de crédito:

  1. Pagar juros ao estabelecimento da compra se ele não der opção de pagar sem juros no cartão. 
  2. Pagar juros à emissora do cartão de crédito por atraso na fatura. 
  3. Pagar juros à emissora do cartão de crédito se o parcelamento for acima das quotas (parcelas) permitidas, pois algumas emissoras emitem cartões com limite de parcelamento sem juros. 

Então, você não pagará juros à emissora do cartão de crédito simplesmente por fazer compras parceladas, mas sim por atrasar o pagamento da fatura ou parcelar acima do limite de quotas sem juros. 

É melhor pagar à vista ou parcelado?

Agora que você já sabe como funciona o parcelamento no cartão de crédito e sabe que é possível parcelar sem pagar juros, pode estar se questionando se não é mais vantajoso parcelar do que pagar à vista. Aqui é importante relembrar que essas escolhas dependem muito da situação financeira de cada um. 

Por exemplo, o pagamento parcelado pode parecer uma saída quando você não tem o valor total do item que deseja comprar no momento. Entretanto, esse é um indicativo de que você, na verdade, não poderia pagar por aquele item sem emprestar dinheiro da emissora do cartão. E se algum imprevisto acontecer e você não conseguir pagar a fatura?  

Por outro lado, você pode ter o valor guardado ou ter economizado para pagar pelo item ao longo de um período. Nesse caso, poderia parcelar e deixar rendendo o valor poupado, retirando mês a mês uma quantia para pagar a fatura. Ainda nessa mesma situação, o parcelamento pode não ser vantajoso se você conseguir desconto por pagar à vista. 

Nesse caso, vale a pena se você negociar e a loja te apresentar a possibilidade de pagar um valor menor ou mais interessante se comparado ao rendimento que teria caso deixasse o dinheiro aplicado. 

Em outras situações o parcelamento pode cobrir emergências de gastos maiores para os quais você não tem uma reserva. Fora desse caso, é sempre importante considerar que o parcelamento é uma opção quando o valor cabe no seu orçamento pessoal, pois muitas vezes o limite do cartão é maior do que você consegue arcar. 

Débito ou crédito? Qual opção é mais vantajosa?

Além de se questionar se é melhor pagar parcelado ou não no cartão, também é interessante que você avalie quando é mais vantajoso pagar no débito e no crédito. Concentrar as despesas em um mesmo cartão de crédito pode ser interessante se você é organizado financeiramente e acompanha seus gastos ao longo do mês.

Nesse caso, é possível estabelecer uma verba mensal para as despesas que serão pagas no crédito. Como o cartão tem uma data estabelecida de vencimento, você vai poder pagá-las de uma vez só. Assim, é possível deixar rendendo o dinheiro que seria usado a cada pagamento no débito. 

Por outro lado, se você não tem controle e possui um limite muito maior do que a sua capacidade financeira, além de optar pelo débito, é interessante rever o valor e até mesmo pedir à financeira que reduza seu crédito.

Pagar no crédito sem parcelar, mas parcelar a fatura, vale a pena?

Não. Parcelar a fatura como uma forma de fugir dos juros do parcelamento do estabelecimento da compra não vale a pena. Isso porque, idealmente, pagar juros no cartão de crédito só é uma opção quando você não tem outra fonte de crédito para recorrer em uma situação de emergência. 

Leia este outro artigo do blog e entenda por que parcelar o cartão de crédito é um problema.

De modo geral, o parcelamento da fatura não deve ser visto como uma forma de adquirir bens ou pagar por gastos supérfluos. Ele é uma opção mais vantajosa no caso de você ter perdido o controle dos seus gastos e não tiver dinheiro para quitar o valor daquele mês se comparado ao pagamento do valor mínimo da fatura. 

Ao parcelar a fatura diretamente com o banco, você tem a opção de negociar o valor dos juros para aquela situação, já determinando um tempo para liquidar a dívida. No caso do pagamento mínimo, você não sabe exatamente quando aquela bola de neve terá fim, pois pode se ver novamente sem dinheiro e tendo que pagar o mínimo da outra fatura e assim por diante.

Além da questão da negociação e do estabelecimento de um prazo para pagamento da dívida, no parcelamento da fatura você tem juros fixados e não precisará arcar com um juros tão alto quanto o do rotativo do cartão (taxa que incide no pagamento mínimo). 

O que é rotativo do cartão de crédito?

Segundo o Banco Central do Brasil (BC), o rotativo do cartão de crédito é ​”uma modalidade de crédito para financiamento da fatura de cartão de crédito, sem data e parcelas definidas para pagamento pelo cliente, concedido quando há pagamento inferior ao valor total da fatura, mas superior ao mínimo mensal convencionado”. 

Assim, ao pagar o mínimo da fatura, você entra no crédito rotativo. Desde 2017, o BC estabeleceu que o prazo máximo de utilização desse crédito seja até a próxima fatura. Depois disso, você deve pagar o valor com seu dinheiro ou usando outra modalidade de crédito da instituição emissora do cartão. 

O rotativo do cartão de crédito é um dos grandes motivos de endividamento entre os brasileiros. A situação fica ainda pior, porque essa modalidade de crédito tem um dos juros mais altos do mercado, concorrendo lado a lado com o cheque especial – outra linha de crédito muito usada no país. 

Leia o artigo da CashMe que explica o que é o crédito rotativo e saiba tudo sobre essa taxa de juros!

Tanto o rotativo quanto o cheque especial figuram entre as principais fontes de endividamento por serem fáceis de se ter acesso, estando à mão do consumidor ou já pré-aprovados na conta corrente. 

A BBC Brasil destaca que a média do juro do rotativo do cartão de crédito foi de 346,1% ao ano em novembro de 2021. A reportagem traz uma comparação: depois de um ano, uma dívida de R$ 1 mil estaria em R$ 4.461. 

O que acontece quando a parcela do cartão de crédito não é paga?

Assim, quando uma parcela do cartão de crédito não é paga em seu valor mínimo, fica configurada uma situação de inadimplência. O que acontece dali para frente está sujeito ao contrato assinado entre você e a emissora do cartão. 

Entretanto, algumas situações são esperadas como o cancelamento do cartão, inscrição do seu nome em órgão de proteção ao crédito (como SPC e o Serasa) e, segundo o BC, podem ser cobrados encargos como:

  • juros remuneratórios, por dia atrasado. Ele pode ser calculado sobre a parcela vencida ou sobre o saldo devedor não liquidado;
  • multa;
  • juros de mora.

Lembrando que os juros remuneratórios só podem ser cobrados conforme acordado em contrato. De acordo com o Banco Central do Brasil, a taxa praticada deve ser:

  • a taxa respectiva à operação de parcelamento para os valores associados a operações de parcelamento do saldo devedor da fatura contratadas após o cliente permanecer 30 dias no rotativo;
  • a taxa do crédito rotativo para os demais valores em atraso.

Muitas taxas, não é mesmo? Além de um problema financeiro, que pode virar uma bola de neve, deixar de pagar a parcela do cartão de crédito pode te dar muita dor de cabeça, deixando seu nome negativado e diminuindo a confiança do mercado na hora de avaliar seus pedidos de financiamentos, empréstimos e novos cartões. 

Como negociar dívidas do cartão de crédito?

A partir daí, é importante que você procure formas de diminuir o valor da taxa de juros, que podem se configurar como abusivas em alguns casos, para conseguir diminuir o valor da dívida do cartão de crédito. E não se deixe enganar: é possível trocar uma dívida cara por uma mais barata. 

Aqui no blog da CashMe, temos um artigo especial sobre negociação de dívidas que ensina o passo a passo dessa jornada nos principais bancos. Mas, de modo geral, você consegue iniciar essa conversa em centrais de atendimento telefônico, pela internet, nos aplicativos de internet banking, em feirões como o do Serasa e pelo próprio WhatsApp da emissora do cartão. 

Normalmente, a credora já tem uma proposta pronta para a sua situação e com juros mais atraentes. Ainda assim, não fique com a primeira oferta. Analise, veja se pode pagar e, sendo realista, proponha um novo valor se achar cabível ou entender que aquela quantia ainda não cabe no seu orçamento.

O importante é não aceitar uma negociação se já souber que não conseguirá pagar ou começar a pagar sem ter tentado negociar uma taxa de juros menor. Faça os cálculos, tente conversar novamente com o credor e, se possível, espere um novo contato. É normal que algumas tentativas sejam feitas até que a negociação chegue a um acordo bom para os dois lados. 

Quando antecipar o pagamento da parcela do cartão de crédito?

No processo para entender como funciona o parcelamento no cartão de crédito, você já compreendeu que o total das compras parceladas vai ocupar o seu limite e não apenas o valor da parcela. Ao longo dos meses, é possível que você use todo o seu limite e a emissora do cartão não conceda mais crédito. 

Nessa situação, é possível liberar o limite do cartão de crédito ao adiantar o pagamento da fatura. Ou seja, você vai pagar determinado valor antes do vencimento daquele mês. É claro que esse processo é recomendável quando você possui esse dinheiro sobrando e, além dele, mais o valor da nova compra que deseja fazer. 

Vale se programar e conferir com a emissora do cartão quanto tempo leva para que o limite seja liberado após o pagamento. De modo geral, ele acontece poucas horas depois da operação financeira. Assim, você consegue se programar para alguma compra emergencial e ter o crédito a sua disposição até a próxima fatura ou enquanto não aumentam seu limite. 

Conclusão

Saber como funciona o parcelamento no cartão de crédito é um passo importante na sua educação financeira e que pode te ajudar a não se endividar. Neste artigo, vimos que com ele é possível pagar mês a mês o valor de uma compra, ocupando o limite com o preço total da despesa e quitando as parcelas a cada nova fatura. 

Você também viu que pode parcelar sem juros se o estabelecimento oferece compras a prazo nessas condições e se o número de parcelas solicitado não exceder ao número que a emissora do cartão de crédito permite parcelar sem juros. Por outro lado, serão cobrados juros e outros encargos se a fatura não for paga em dia.

No caso do pagamento do valor mínimo, você entrará no rotativo do cartão de crédito. Na maioria dos casos, vale mais a pena parcelar a fatura diretamente com a emissora do cartão do que ficar sujeito a essa taxa, que é a mais alta do mercado de crédito. De todos os modos, o passo mais importante para evitar dívidas no cartão é pagar a fatura em dia. 

Entendeu como funciona o parcelamento no cartão de crédito, mas deseja um limite maior e uma taxa de juros menor? O empréstimo com garantia de imóvel é uma opção para aquelas pessoas que possuem um bem próprio. Aqui na CashMe, é possível conseguir de R$ 50 mil até R$ 15 milhões em crédito, com 240 meses para pagar. Faça uma simulação!


Redação CashMe

Escrito por Redação CashMe

Equipe de redação de CashMe. Todos os conteúdos são revisados por especialistas do ramo e atualizados periodicamente.


Separamos mais essas notícias para você:

Faça seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A CashMe utiliza cookies para melhorar a funcionalidade e o desempenho deste site, para mais informações acesse nossa Política de Privacidade.