Saiba tudo a respeito de empréstimos para empresas

Pretende fazer um empréstimo no nome de sua empresa?  A CashMe ajuda Confira:

Já costuma ser complicado solicitar um empréstimo como pessoa física. Imagine só ter que fazê-lo no nome de uma empresa. É ainda mais delicado por conta de todo o capital envolvido e pelo fato de que, normalmente, as instituições financeiras não tem interesse em conceder o crédito para esta categoria.

Isso acontece por conta da instabilidade das entradas de valores e do fato do valor solicitado geralmente ser muito alto, o que consequentemente acaba se tornando um negócio arriscado para os bancos.

Entretanto, a categoria Microempreendedor Individual (MEI) tem sido alvo de grandes incentivos por parte do governo, com o objetivo de melhorar a economia e ajudar os pequenos empresários. Ainda assim, existem diversas opções de empréstimos que podem ser tomadas por empresas. Basta achar a que cabe no seu bolso.

O que é MEI?

Antes de pensar em realizar um empréstimo para MEI, é preciso saber se sua empresa realmente se enquadra na modalidade. É muito comum confundir empresas que estão em ascensão com essa categoria.

O principal requisito para quem pode requerer o registro como microempreendedor é o trabalhador autônomo que tiver um faturamento inferior a R$ 81.000,00 ao ano. Porém, este não é o único requisito. Outros detalhes devem ser observados como:

  • O MEI pode ter apenas 1 (um) único empregado
  • Possuir apenas 1 estabelecimento e não ser sócio em outra empresa
  • Ter relação de emprego com uma empresa (ser empregado)
  • Não exercer atividade impeditiva ao Simples Nacional (Anexo VI da Resolução CGSN 140/2018).

Como funciona o empréstimo para MEI?

Seja qual for a modalidade de linha de crédito escolhida, para solicitar um valor, é imprescindível comprovar que o dinheiro será usado em benefício da empresa. Antes de escolher uma instituição financeira ou um empréstimo, pesquise a respeito, compare todas as opções para escolher a que caiba no seu orçamento e se planeje. 

Quem está registrado como MEI tem o direito de pedir a redução das taxas de juros na hora de pedir um empréstimo. Se por um acaso a modalidade escolhida for a do empréstimo com garantia, essas taxas irão ser extremamente baixas, uma vez que esse tipo de empréstimo já tem as suas taxas menores do que as outras linhas de crédito. 

Contudo, é importante lembrar que cada instituição apresenta diferenças nas taxas aplicadas ou mesmo nas regras para a aprovação do empréstimo. Sendo assim, comparar todas as possibilidades antes de escolher onde o empréstimo será feito é fundamental para não acabar com taxas mais altas.

Quais os tipos de empréstimos que se pode fazer sendo MEI?

Como já foi dito, existem diversas modalidades de linha de crédito e algumas podem ser utilizadas para investir em sua empresa. As taxas de juros e os prazos para a quitação do empréstimo variam entre elas.

Estes empréstimos podem ser considerados especiais por trazerem peculiaridades mais vantajosas em relação aos outros tipos de empréstimos. Confira abaixo algumas das opções disponíveis. 

Cartão BNDES

O cartão BNDES é uma alternativa de crédito para incentivar as atividades das micro, pequenas e médias empresas. O limite máximo a ser emprestado é de um milhão, contando com taxas de juros mais baixas do que as praticadas no mercado. O financiamento desse cartão é automático, sendo pago em 48 parcelas fixas.

O cartão pode ser usado pelo empreendedor de acordo com as projeções de crescimento para o negócio, desde que não ultrapassem o valor do limite liberado. As exigências para ser feito esse tipo de empréstimo são ter um CNPJ, sede no Brasil e um faturamento de até 90 milhões.

A análise de crédito é feita pelos chamados agentes operadores e é preciso escolher entre eles, além de comparecer a agência do agente escolhido e assim solicitar o cartão. Os documentos necessários estão especificados no próprio site do BNDES.

O recurso pode utilizado para adquirir produtos como máquinas, insumos e matérias-primas. Contudo, é preciso ter cuidado e verificar o catálogo dos fornecedores recomendados pelo BNDES. Caso não o faça, pode acontecer de adquirir o cartão e então descobrir que não cobre o gasto de um equipamento específico.

Empréstimo com garantia de imóvel

Talvez a melhor opção de empréstimo, é mais utilizada para saldar as dívidas da empresa com fornecedores, consiste em recorrer aos bens para garantir que o empréstimo será pago. O empréstimo com garantia de imóvel é a melhor saída para pagar as contas de uma empresa, sem que seja necessário abrir mão de seu conforto e utilizar suas reservas pessoais.

Também conhecida como refinanciamento, possui as menores taxas de juros entre as modalidades tradicionais de linha de crédito. Além disso, o valor do montante a ser retirado pode ser extremamente alto, chegando a 60% do valor total do imóvel. Os seus prazos são muito flexíveis e longos, chegando a no máximo 30 anos para ser quitado.

Porém, para ter acesso a todos esses benefícios, é preciso transferir o imóvel indiretamente para a instituição financeira, servindo como segurança para a empresa bancária poder disponibilizá-los. Apesar disso, o imóvel pode continuar a ser usado pelo proprietário da mesma forma. Essa modalidade de empréstimo é a que menos tem casos de inadimplência. 

Linha de microcrédito 

As linhas de microcrédito são recursos oferecidos pelas instituições financeiras para fomentar as atividades do microempreendedorismo. O valor a ser emprestado é inversamente proporcional ao porte da empresa, ou seja, empresas de maior  porte terão direito a valores menores. Isso ocorre para diminuir o risco de inadimplência.

Para que o crédito seja liberado, é necessário que o empresário demonstre a instituição credora onde os recursos serão aplicados, a situação atual do empreendimento e as projeções dos resultados. Além disso, assim como em qualquer solicitação de empréstimo, terá que apresentar o RG, CPF, comprovante de endereço e o Certificado de Condição de Microempreendedor Individual.

Entretanto, há um limite de valor disponível para o empréstimo. Os valores oferecidos são entre R$ 300,00 à R$ 15.000,00. O prazo para o pagamento costuma ser um pouco apertado, variando de 4 a 2 meses. As taxas de juros e condições de pagamento devem estar em harmonia com o projeto que será implementado. Caso contrário, é recomendado que se escolha outra linha de crédito. 

Cheque Especial Pessoa Jurídica ou LIS

Funciona exatamente como o cheque especial convencional, mas é direcionado para atender as empresas. Para que este crédito seja pré-aprovado e disponível para saque e utilização, as instituições financeiras irão exigir uma Declaração de Imposto de Renda ou Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (DECORE).

O cheque especial, seja para pessoa física ou jurídica, é a linha de crédito com maiores taxas de juros, de modo que deve ser a última hipótese. A média entre as empresas bancárias é de 10% a 16%.

Capital de Giro

O empréstimo para capital de giro tem como principal característica um pequeno período sem a aplicação das taxas de juros, sendo normalmente entre 5 e 15 dias. O objetivo dessa modalidade é adiantar um valor que a empresa já possui para receber em virtude das vendas do negócio.

Após terminar esse período de “carência” sem a cobrança das taxas de juros, o empréstimo para capital de giro possui taxas atrativas, ficando em torno de 1,5% e 2,5% ao mês.Contudo, o limite dos valores disponíveis para serem retirados costumam ser pequenos. É possível aumentá-los de acordo com o faturamento da empresa e a declaração de imposto de renda, mas não costuma alterar muito.

Quais são os documentos exigidos e as etapas do empréstimo para MEI?

Cada instituição financeira possui suas próprias exigências na hora de aprovar ou recusar um empréstimo, de modo que não há uma regra geral obrigatória. Porém, costumam funcionar de forma semelhante, exigindo um outro documento a mais. Confira as etapas e os documentos normalmente exigidos.

Créditos com taxas reduzidas

Normalmente o valor a ser emprestado é menor em relação às outras modalidades de linha de crédito, mas possuem menos burocracias. Os documentos exigidos costumam ser:

  • RG, CPF e comprovante de residência.
  • CNPJ e certidão de existência da empresa.
  • Antecedentes criminais (em alguns casos).
  • Dados da conta bancária.
  • Comprovante de endereço do estabelecimento comercial.

As etapas são:

  1. Apresentar a proposta: é possível fazer o pedido do empréstimo na instituição financeira escolhida tanto fisicamente quanto pela internet. Faça um planejamento de projeto detalhado, mostrando com clareza o objetivo do empréstimo e como será utilizado.
  2. Reunião: após realizar o pedido, será feita uma reunião para que ocorra a análise de crédito, para que a instituição tenha certeza de que o empreendedor tem condições de quitar o empréstimo.
  3. Preenchimento da ficha: deve ser preenchida uma ficha com as informações solicitadas (Documentos pessoais, endereço, CNPJ, etc).
  4. Análise: a análise de crédito normalmente demora de 10 a 15 dias para aprovar ou recusar o pedido. Pode acontecer de um representante ir no estabelecimento comercial conferir as informações preenchidas na ficha.
  5. Aprovação: se o crédito for aprovado, o valor entra na conta-corrente do empreendendor no banco escolhido. Caso o empresário não possua uma conta, será necessário abri-la.
  6. Boletos: as linhas de crédito com taxas de juros reduzidas costumam ser pagas através de um boleto, de modo que o empresário receberá um cachê.

Empréstimos em geral para MEI

Já as outras modalidades de empréstimo, no caso de MEI, costumam ser mais rigorosas e exigem mais documentações para que se aprovado.

Documentos necessários:

  • Documentos pessoais (RG, CPF e comprovante de residência).
  • Comprovante de endereço do estabelecimento comercial.
  • Certidão de Condição do MEI (CCMEI) ou certidão da junta comercial.
  • CNPJ.

Para empréstimos com valores mais altos, pode ser exigido:

  • Plano de negócio.
  • Extrato bancário dos últimos 3 meses da empresa.
  • Documento de fluxo de caixa.
  • Declaração de Imposto de Renda.

As etapas para a obtenção do crédito são:

  1. Solicitação: é feito um pedido formal para solicitar um empréstimo, através de atendentes da instituição escolhida. Pode ser feito pessoalmente ou pela internet.
  2. Lista de documentação: o empresário receberá uma lista com os documentos necessários para dar continuidade ao processo. Esses documentos podem variar tanto de instituição para instituição, como de linha de crédito para linha de crédito. 
  3. Entrega de documentos: os documentos deverão ser entregues o mais rápido possível, contendo cópias e originais, para serem enviados para a análise de crédito.
  4. Aguarde a resposta: a resposta da aprovação ou da recusa do pedido de empréstimo costuma demorar até 10 dias. Porém, no caso de envolver plano de negócios e fluxo de caixa, esse prazo aumenta para entre 30 e 45 dias.
  5. Aprovação: após aprovado, o dinheiro será creditado na conta bancária da própria instituição financeira que concedeu o empréstimo ou em um banco previamente informado.

Quando a MEI precisa de um empréstimo?

Um dos erros mais comuns a ser cometido por pequenos empresário e empresários inexperientes é pedir mais ou menos dinheiro do que realmente precisa. Isso pode acarretar dois problemas:

  • Empréstimo de valor insuficiente: quando isso ocorre, o empreendedor permanece com dívidas em sua empresa que não pode pagar, além da dívida de empréstimo no banco. Quando o crédito solicitado é para a reforma da empresa, pode ser ainda pior e acontecer de não poder ser concluída ou do empresário ter que tirar dinheiro de suas economias pessoais ou do capital de giro da empresa para terminá-la.
  • Empréstimo de mais do que precisava: quando isso ocorre, a dívida do empréstimo com o banco acaba sendo maior do que era necessária, o que pode causar impactos negativos no futuro. O dinheiro não poderá ser guardado caso não seja utilizado. Pode acontecer também de, depois de usar para o que precisa, o empreendedor não ter como quitar o empréstimo.

Cuidados e dicas na hora de solicitar um empréstimo para MEI

Antes de realizar qualquer tipo de empréstimo, é preciso um planejamento. Analise exatamente onde o dinheiro será investido e qual o valor necessário para que esse investimento saia do papel. Além disso, estude e tente prever quanto irá conseguir de retorno por esse investimento, o quanto a empresa irá crescer.

Organizar o orçamento da empresa é fundamental. Programe como será feito o pagamento do empréstimo contratado após fazer uso do dinheiro. Existem diversos aplicativos para auxiliar nesse tipo de tarefa, além da própria planilha do Excel. Não esqueça de separar o que é o dinheiro da empresa e o que é seu dinheiro pessoal. Misturá-los pode dar dor de cabeça.

Não se esqueça de que existem outras taxas além dos juros mensais aplicados pela instituição. Existem também outros encargos e tarifas que podem tornar o empréstimo mais caro do que seria inicialmente. Esse valor final é chamado de Custo Efetivo Total e é informado ao consumidor pela empresa bancária.

É importante comparar todas as empresas bancárias que estão concedendo empréstimo para MEI tanto em relação às taxas de juros quanto outros detalhes como o valor a ser emprestado e atendimento. Empréstimo para MEI costuma ser ter mais burocracias do que um empréstimo para pessoa física. Logo, é importante ter um bom vínculo com a instituição financeira escolhida até para corrigi-la em relação aos documentos da empresa.

Gostou do texto? Faça uma simulação com a gente!  Compartilhe e deixe a sua opinião, queremos saber. Que saber mais sobre o assunto? Veja:

Reforma de empresa: onde investir em meu negócio?

Três setores do mercado propícios para investidores e empresários

Três maneiras de captar recursos financeiros para a sua empresa