Toda área de vendas é propensa a mudanças, e o mercado imobiliário não é diferente. Este que já passou por diversas dificuldades pode estar vendo neste último ano uma boa recuperação.

Este que se trata de um dos cenários mais importantes para movimentar a economia geral de todo o país. Muito mais impactante do que aparenta, esta é uma área da indústria que movimenta milhões por ano.

No artigo a seguir discutiremos um pouco da atual situação do mercado imobiliário dentro de nosso país e por que ela tem se tornado cada vez mais animadora.

Aproveite e boa leitura

O mercado imobiliário e a crise

Durante os últimos anos, o Brasil tem passado por grandes crises financeiras, e um dos mercados mais atingidos durante estas foi, sem dúvida, o imobiliário, que chegou a acarretar prejuízos imensuráveis para as atuantes da área.

Isto se devia ao fato de que muitos compradores de imóveis eram investidores que compravam a propriedade com a finalidade de investir na mesma. Uma vez que viam que a sua compra estava sendo reajustada, eles simplesmente desistiam, pegavam o valor de volta e as empresas saiam prejudicadas.

Algumas pessoas podem culpar o desemprego como fator de que todas as áreas do mercado sofreram prejuízos durante esta época, o que, neste caso, foi o causador menor dos problemas.

Um trabalhador que adquiriu um imóvel e depois o devolve sob a premissa de que este já não possuía mais um emprego para arcar com as dívidas representou apenas 10% do prejuízo total do ramo.

Logo, pessoas que adquiriram diversos imóveis procurando investir e ter retorno causaram 90% do impacto negativo à indústria, o que fez com que esta desabasse e tantos negócios imobiliários declarassem falência.

Graças as estes fatores, no ano de 2017 foi registrado diverso aumentos nos preços dos imóveis. As imobiliárias precisavam garantir um lucro de uma venda que fosse realizada com sucesso, ocasionando assim, o aumento de preço.

E claro que as ações e os investimentos também sofreram. Afinal, este se trata de um setor de produção e quando não existe demanda sólida, as pessoas apostaram menos no crescimento da área.

Todos estes fatores fizeram o setor passar por diversos apuros naquele período. Mas, felizmente, este é um cenário que já está sendo revertido.

A recuperação do mercado imobiliário

Durante o primeiro trimestre do ano, os números registrados em 2018 foram animadores para a indústria. As pessoas voltaram a adquirir, definitivamente, casas e outros tipos de imóveis.

E a previsão é que este aumente cada vez mais até 2020, mas com diversas mudanças no setor, afinal, o público está mudando e o mercado sempre irá procurar se organizar em volta dele.

Apesar das vendas apresentarem melhoras, é de senso comum já não precisar adquirir espaços enormes para toda a família. Quanto mais os anos avançam, as pessoas procuram por ter cada vez menos filhos.

Grande parte das novas famílias brasileiras visa, no máximo, uma única criança. Isso se os cônjuges sequer pensam em ter uma. A tendência agora é viajar, conhecer o mundo e não mais ficar parado, conversando com o vizinho na rua sobre a novela.

Com a modernização das gerações, aonde os próprios filhos tendem a cada vez mais ficar longe das ruas, uma vez que a diversão passou a ser os aplicativos, casas para abrigar visitas estão tendendo a desaparecer.

O que antes era quase necessário ter, perde cada vez mais espaço. A internet conecta a todos, e a saudade está passando a ser um fator quase inexistente. Claro que um toque, uma risada, tudo ali, no físico, é necessário para o ser humano, mas essa é uma situação que pode ser resolvida se encontrando com amigos em ambientes festivos e não necessariamente em uma visita.

O que o mercado imobiliário tende a vender

Casas serão trocadas por sobrados, a fim de trocar a largura pelo comprimento. Apartamentos não precisam mais ter 100m² com piscina e área de lazer, onde estes passaram a ter 85m² com menos recursos, a fim de baratear o condomínio.

Kitnets e lofts são grandes tendências, visto que o minimalismo virá cada vez mais em alta. As pessoas estão mais conscientes de seus gastos e, portanto, não são mais compradoras compulsivas.

Claro que uma decoração ainda se mantém muito necessária, mas ela não precisa mais ser uma sala com mesa de jantar, estante, sofás enormes e todos os detalhes clássicos que estamos acostumados.

Quando as pessoas não se encontram conectadas a internet, elas se sentem mais inclinadas a saírem de suas rotinas. A internet é a rede do momento, e fornece escapadas do dia a dia, mas, para descansar e relaxar, uma viagem está sendo a opção mais escolhida.

A venda de apartamentos com condomínios extremamente elevados tende a cair cada vez mais, uma vez que as pessoas pouco utilizam da área de lazer, que também é cobrada na taxa. E ninguém gosta de pagar por algo que não usa.

Os churrascos em família ainda são uma atividade comum, mas que, com o passar do tempo, é notável o quanto menos pessoas comparecem verdadeiramente nestes. As relações se estreitaram, e é muito difícil ver nos dias atuais nas cidades grandes festas que todos são convidados.

Se você conhece o seu vizinho, é muito mais provável que tenha conhecimento dele por causa de um problema do que por amizade.

Um mercado se adequando a realidade

A verdade sobre o nosso avanço é iminente. A tecnologia conecta a todos, mas também afasta as relações. No caso do mercado imobiliário, casas serão cada vez menores em largura e maiores em comprimento, dando destaque aos sobrados.

Para os amantes de apartamento, sua maioria será tomada pelos menores e por aqueles que se localizam em condomínios. A prioridade das pessoas nos dias de hoje é a segurança que é oferecida por eles. Que se torna ainda mais atraente se o seu custo mensal for o menor possível.

E se você está pretendendo adquirir um imóvel da tendência, a CashMe tem os melhores preços para que você possa alcançar seu objetivo. Com as menores taxas e os melhores preços do mercado, nós oferecemos pacotes para que coloque todos os seus planos em prática. Faça uma consulta hoje mesmo e venha ser CashMe!

Gostou do artigo? Então não deixe de compartilhá-lo!

Confira também:

Casa ou apartamento: qual o melhor para mim?

Quando pegar empréstimo para reformar a casa? Descubra aqui!

Orçamento para reforma: 3 pontos essenciais para elaborar o seu