Renda Fixa: confira como funciona e 4 dicas

Renda Fixa: confira como funciona e 4 dicas
ícone de calendario

Atualizado:
15/06/2022

ícone de calendario

Publicado:
16/09/2021

ícone de relógio

Leitura de
5 min

ícone de conversa

Comentarios
0

Redação CashMe

Redação CashMe


Renda fixa é sinônimo de previsibilidade. Ela é caracterizada por investimentos nos quais a pessoa tem noção da rentabilidade que será obtida, dando mais segurança, uma grande diferença em relação à renda variável. A renda fixa pode ser prefixada ou pós-fixada. Alguns exemplos são tesouro direto, CDB, LCI e LCA. 

Deixar suas economias paradas ou na poupança não é a melhor forma de cuidar do dinheiro. Na verdade, essa é uma grande chance de deixar com que ele se desvalorize devido a fatores como a inflação. Um primeiro passo (e fácil!) para contornar isso é começar a dedicar um tempo a sua educação financeira. E a renda fixa é um bom ponto de partida para essa jornada!

O que é renda fixa? Exemplos

Previsibilidade. Essa é uma das principais palavras associadas à renda fixa. Nela, o investidor conhece as condições da rentabilidade do investimento feito. Justamente por ter um risco consideravelmente baixo quando comparada à renda variável, a renda fixa é tida como um investimento seguro, ideal, por exemplo, para alocar sua reserva de emergência (caso a liquidez seja alta!).

Em seu Caderno de Educação Financeira sobre Gestão de Finanças Pessoais, o Banco Central do Brasil define renda fixa como:

“investimentos que pagam, em períodos definidos, a remuneração correspondente a determinada taxa de juros.”

De modo geral, ao fazer investimentos em renda fixa, você estará “emprestando” dinheiro à instituição e recebendo juros por isso. Essa instituição pode ser privada (bancos, fintechs etc) ou pública. Sim, o Governo Federal emite títulos de renda fixa. Falaremos sobre eles mais à frente. 

Ao fazer esse tipo de investimento, você compra um “título”. Para adiantar, trazemos aqui alguns exemplos de renda fixa: tesouro direto, CDBs, letras de câmbio, letras de crédito imobiliário e do agronegócio. Os próprios rendimentos de contas de bancos como Nubank e Inter são exemplos de renda fixa. 

Como funciona a renda fixa?

Esses exemplos podem funcionar de três formas: com rentabilidade prefixada, pós-fixada ou híbrida. Na prefixada, você já sabe desde o início qual será a rentabilidade no final do investimento. 

Já na pós-fixada essa rentabilidade vai depender de um índice ao qual o investimento estará atrelado. Por exemplo, investimentos ligados à Taxa Selic vão variar de acordo com os reajustes desse indicador. 

O mais comum é que a renda fixa pós-fixada esteja atrelada aos indicadores econômicos CDI, IPCA e a própria Selic. Por isso, muitas pessoas se perguntam se a Taxa Selic baixa afeta seus investimentos em renda fixa. Ainda que dependente de um índice, títulos pós-fixados seguem sendo associados à segurança da renda fixa. 

A híbrida são investimentos constituídos por partes prefixadas e outras pós-fixadas. Além da rentabilidade, um outro ponto importante do funcionamento da renda fixa é a liquidez (tempo para vender e ter acesso ao valor do título), que vai variar de acordo com o investimento e a instituição financeira escolhida. 

Qual a diferença entre renda fixa e renda variável?

Por fim, nesta introdução, reforçamos a diferença entre renda fixa e renda variável. A primeira pode ser entendida, então, como um título público ou privado com rentabilidade previsível, determinada no momento da compra ou atrelada a um indicador financeiro. 

Por outro lado, a renda variável é extremamente menos previsível, comumente associada à volatilidade e risco. Ao mesmo tempo, ela também é conhecida por ser mais rentável. Alguns exemplos de renda variável são os fundos imobiliários, câmbio e, claro, as ações.

Quais os investimentos em renda fixa? 

Agora, vamos explicar um pouco melhor o que são os exemplos de renda fixa citados no início deste artigo. Confira os principais deles!

  • Tesouro Direto: são títulos emitidos pelo Governo e que podem ser comprados por você diretamente no site do Tesouro Direto. Na página, você conhece cada um deles, suas rentabilidades, se são prefixados ou pós-fixados e liquidez (que costuma ser diária). Os investimentos no Tesouro são conhecidos por serem “os investimentos mais seguros do Brasil”, pois você está “emprestando” dinheiro ao Governo.
  • CDB: essa é a versão privada dos títulos explicados acima. Ao invés de serem emitidos pelo Governo, eles são emitidos por bancos. CBD é uma sigla para Certificados de Depósitos Bancários e costumam ser pós-fixados no CDI.
  • LCA e LCI: letras de crédito do agronegócio (LCA) e letras de crédito imobiliário (LCI). São títulos emitidos dentro do mercado do agronegócio ou imobiliário. Ou seja, você “empresta” dinheiro para as instituições financeiras que fazem a intermediação.
  • Debêntures: aqui os títulos são emitidos por empresas como forma de captar recursos para expandir, fazer novos projetos etc. A liquidez das debêntures costuma ser baixa, sendo um investimento que pode durar alguns anos. 

4 dicas para investir em renda fixa em 2021

Esses são alguns tipos de renda fixa. Conhecê-los a fundo, assim como outras opções, é o primeiro passo para iniciar seus investimentos. Aliás, a grande dica para você que está começando é: estude! Assumir essa responsabilidade e entender a melhor forma de guardar o seu dinheiro segundo a sua realidade é essencial ainda que você conte com a ajuda de profissionais e artigos como esse da CashMe.

Com isso em mente, trazemos quatro dicas para você que quer investir em renda fixa em 2021. 

1. A renda fixa não acabou

Os seguidos cortes na Selic vivenciados nos últimos anos colocou essa dúvida na cabeça de algumas pessoas, mas a renda fixa segue sendo muito importante, basta que você analise qual o seu objetivo com esse dinheiro. Para a sua reserva de emergência, por exemplo, ela segue sendo o lugar mais indicado.  

2. Fique atento à liquidez e à rentabilidade

Essa dica é boa principalmente para o caso de alocação de reserva de emergência, que deve poder ser sacada a qualquer momento. Por mais que a liquidez financeira alta seja mais predominante entre os produtos de renda fixa, existem alguns que têm resgate previsto para anos futuros, como as debêntures.

Outro ponto é analisar se a rentabilidade é diária, acima da inflação e se os juros são semestrais ou não.

3. Taxa de administração

Para investir, você precisará se cadastrar em uma instituição financeira. É bem provável que o seu próprio banco te ofereça esse serviço. Entretanto, é muito importante ficar de olho se os produtos comprados terão incidência de taxa de administração, pois isso pode acabar deixando o investimento menos atrativo. Pesquise bastante, pois existem opções isentas de taxa.

4. Faça aportes

Para quem está iniciando, pensar na rentabilidade do dinheiro investido inicialmente pode ser desanimador, ainda mais em um ano em que muito se falou de “viver de renda”. Entretanto, é importante lembrar que o que vai fazer seu patrimônio crescer mais rapidamente é o aporte constante de novos investimentos. A rentabilidade por si só é importante, mas você deve seguir destinando e adicionando recursos próprios. 

Conclusão

Podemos entender, então, a renda fixa como um investimento no qual você, desde o início, conhece as condições de rentabilidade: ou você sabe quanto resgatará no futuro (prefixado) ou você sabe qual indicador financeiro será usado para determinar o rendimento do período (pós-fixado). Por isso, ela é conhecida como um investimento previsível e seguro.

Entre os principais tipos de investimento em renda fixa estão: debêntures, CDBs, tesouro direto, LCI e LCA. Poderíamos citar também a poupança, mas sua rentabilidade é baixa e esse é um produto conhecido entre os especialistas como potencial perda de dinheiro. Veja mais se investir na poupança vale a pena.

Neste artigo, trouxemos uma breve explicação sobre a renda fixa. Chegar até aqui já mostra que você está interessado em melhorar sua saúde financeira. Quitar as dívidas ou expandir seu negócio pode ser um passo seguinte. E CashMe também pode te ajudar nisso. Conheça agora o nosso empréstimo com garantia de imóvel e saiba mais!


Redação CashMe

Escrito por Redação CashMe

Equipe de redação de CashMe. Todos os conteúdos são revisados por especialistas do ramo e atualizados periodicamente.


Separamos mais essas notícias para você:

Faça seu comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *